REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

Bolsonaro compara Presidência com casamento e cita quatro, oito anos ou ‘quem sabe mais tempo’

Presidente fez declaração durante evento da Aliança pelo Brasil, sem esclarecer exatamente o que quis dizer com 'mais tempo'

Fabrício de Castro e Vinícius Valfré, O Estado de S.Paulo

18 de janeiro de 2020 | 13h38

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro comparou neste sábado, 18, o exercício de seu cargo com um casamento, de quatro, oito anos, ou “por mais tempo”. Durante evento da Aliança pelo Brasil, em Brasília, Bolsonaro afirmou que a Presidência “não é uma lua de mel”.

“É um casamento de quatro ou oito anos. Ou, quem sabe, por mais tempo, lá na frente”, afirmou, sem esclarecer exatamente o que queria dizer com “mais tempo”.

Segundo Bolsonaro, neste “casamento”, os “fins serão o bem estar deste povo”. “Eu já passei dos 60 (anos). A gente começa a não pensar de maneira diferente. A pensar com os pés do chão. O que nós queremos deixar para quem vem depois? O que eu quero deixar para a minha filha Laura?”, afirmou durante discurso para uma uma plateia de simpatizantes e colaboradores do partido que está em formulação.

Durante a fala, o presidente também fez referências indiretas a sua relação com seu antigo partido, o PSL. “Como disse, é pesado. Decepções, ingratidões, gente que se revela depois que assume o poder, gente que pede cargo e responde: ‘você já teve um cargo acima do nosso nome, o seu mandato’”, citou o presidente. “Mas nem isso satisfez uma parte daqueles que chegaram conosco para ocupar a Câmara e o Senado Federal”, acrescentou.

A fala de Bolsonaro remete às desavenças com o deputado federal Luciano Bivar (PE), presidente do PSL, partido pelo qual Bolsonaro foi eleito para a Presidência da República, no ano passado.

Em outubro do ano passado, Jair Bolsonaro chegou a acionar a Procuradoria-Geral da República (PGR) para pedir o afastamento de Bivar do comando do PSL e a suspensão dos repasses ao partido de recursos públicos do Fundo Partidário. Ao se referir a Bivar, o presidente já disse que o deputado "está queimado para caramba". No centro da disputa, está um quinhão de R$ 110 milhões, valor do Fundo Partidário previsto para o PSL só neste ano.

O presidente afirmou no evento do Aliança que não existe “satisfação maior” do que ser bem recebido em qualquer lugar do Brasil. “Tenho compromisso com vocês, com a pátria e com Deus acima de tudo”, disse.

Economia. Bolsonaro aproveitou o discurso para destacar que o governo “deu um grande passo” em 2019 e que a economia “vem reagindo”. “Os números estão aí. Logicamente, vem com uma parcela de sacrifício”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.