Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro comete gafe e diz que Uberlândia é em SP

'Também sou paulista. Esse Estado maravilhoso que é a locomotiva da nossa economia', falou o deputado

Rene Moreira, Especial para O Estado

20 de outubro de 2017 | 19h59

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) cometeu uma gafe em Uberlândia (MG), no Triângulo Mineiro, nesta quinta-feira, 19. Em sua peregrinação pelo País como provável candidato ao Planalto em 2018, ele foi ovacionado em Minas aos gritos de "presidente" e ouviu também elogios de apoiadores, mas achou que estivesse em São Paulo.

+++ Veja quem quer ser presidente em 2018

"A recíproca é verdadeira. Também sou apaixonado por vocês", respondeu. Para completar em seguida: "Também sou paulista. Esse Estado maravilhoso que é a locomotiva da nossa economia". A falha aconteceu logo no início do discurso, enquanto o parlamentar se encontrava em cima de um carro de som na área externa do aeroporto, logo após aterrissar na cidade.

+++ Ciro diz que 'momento é de testosterona' ao falar de pré-candidatura de Marina

Ele ainda tropeçou nas palavras outra vez ao pedir uma salva de palmas para a Polícia Militar de São Paulo. "Oh Bolsonaro, aqui é Uberlândia", de imediato gritou um jovem do meio do público.

Bolsonaro então lamentou o erro. “Me desculpe, um ato falho aqui", falou. "É que vou decolar de Ribeirão Preto", justificou. No Triângulo Mineiro, apesar da gafe, ele foi recebido com festa. E depois fez questão de agradecer a população local novamente, mas corrigindo o nome da cidade e do estado.

+++ PSOL articula Boulos para Presidência

"Meu muito obrigada para Uberlândia, Minas Gerais", enfatizou. E, ainda sobre a falha, brincou: "Vou pagar dez flexões", disse em alusão ao fato de ser do Exército e haver muitos militares na plateia.

+++ Dono da Riachuelo diz que candidatura de Bolsonaro 'não vingará' e defende Doria

CAMPANHA

Em Minas Gerais, Bolsonaro voltou a fazer discursos como candidato à presidência da República. "Estamos andando pelo Brasil para buscar um novo norte para nós", declarou. Ele também aproveitou para fazer discurso contra o MST que, para ele, deveria ter as ações classificadas como "terrorismo". E prometeu liberar o porte de arma se vier a ser presidente do Brasil.

+++ Em peruada, Doria é principal 'alvo' de críticas

Em quase meia hora ao microfone, por fim comemorou pesquisas que o colocam entre os preferidos para a presidência. "E sem dinheiro da Odebrecht e militância de esquerda...", falou. Depois do discurso, Bolsonaro visitou o prefeito Odelmo Leão (PP), almoçou com empresários e participou de um debate.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.