Alan Santos/PR
Alan Santos/PR

Bolsonaro chama jornalista de ‘idiota’ após ser questionado sobre foto com ‘CPF cancelado’

'Não tem o que perguntar, não?', disse o presidente a repórter que o questionou sobre foto em que ele aparece segurando uma placa com a gíria usada para se referir a pessoas assassinadas

Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2021 | 17h19

O presidente Jair Bolsonaro chamou uma jornalista de “idiota” ao ser questionado nesta segunda, 26, sobre uma foto em que aparece segurando um cartão com a inscrição “CPF cancelado”. A expressão é uma gíria do meio policial para se referir a mortes ou execuções.  

“O senhor foi criticado por uma foto postada dizendo ‘CPF cancelado’ num momento em que tantas pessoas estão morrendo. O que o senhor tem a dizer?”, questionou a repórter Driele Veiga, da TV Aratu, durante evento em em Feira de Santana (BA). “Você não tem o que perguntar, não? Deixa de ser idiota”, respondeu o presidente.

O presidente foi até a cidade no interior baiano com ministros, seguranças e uma comitiva para a entrega de trecho de 22 quilômetros de duplicação da BR-101, que tem 168 quilômetros no total (58 deles duplicados).

A foto em que Bolsonaro aparece rindo enquanto segura o cartão foi tirada nos bastidores da gravação de uma entrevista do presidente ao programa policial Alerta Nacional, de Sikêra Jr. A imagem viralizou nas redes sociais durante o fim de semana.

“É comum que pessoas imaturas e políticos autoritários ajam com grosseria, falta de educação e violência quando confrontados com seus erros e irresponsabilidades, aumentando o grau de irracionalidade quando se tratar de um homem e do outro lado estiverem as mulheres”, diz o presidente do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba), Moacy Neves.

Opositores de Bolsonaro se manifestaram sobre o caso nas redes sociais. Governador da Bahia, Rui Costa (PT), chamou a atitude de Bolsonaro de “lamentável”. “Ao invés de trabalhar, ele ataca governadores, ameaça as instituições, provoca aglomerações, despreza as vacinas. E continua agredindo jornalista. Lamentável. Minha solidariedade a Driele Veiga e a todos os jornalistas que têm convivido com essa rotina de ofensas do presidente. A imprensa é um pilar fundamental da democracia. Tem que ser preservada e defendida.”

O ex-prefeito de Salvador e presidente do DEM, ACM Neto, também comentou a situação. “Quero me solidarizar com a jornalista Driele Veiga, a quem conheço bem e sei da seriedade, competência e educação. É fundamental que, em uma democracia, o presidente da República compreenda e respeite o papel da imprensa.”

Histórico. Entidades de defesa da liberdade de imprensa têm destacado o “histórico de forte hostilidade de Bolsonaro contra jornalistas”. Em agosto do ano passado, questionado sobre repasses de R$ 89 mil feitos por Fabrício Queiroz, ex-assessor de seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), à primeira-dama Michelle Bolsonaro, o presidente respondeu: “Vontade de encher sua boca de porrada”.

“Desde o início de seu mandato, Bolsonaro vem demonstrando carecer de preparo emocional para prestar contas à sociedade por meio da imprensa, uma responsabilidade de todo mandatário nas democracias saudáveis. Jornalistas têm sido vítimas de agressões verbais constantes”, disseram em nota conjunta a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), Artigo 19, Conectas, Observatório da Liberdade de Imprensa da OAB e Repórteres Sem Fronteiras.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonarojornalismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.