Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Bolsonaro ataca Deltan e acusa Lava Jato de produzir depoimentos

Presidente ainda indicou vídeo de influencer conservador que acusa Moro de acobertar acusações contra Alvaro Dias e afirma que Deltan é lulista

Natália Santos e Matheus Piovesana/Broadcast Político, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2021 | 15h29

O presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou hoje, 12, em vídeo publicado pela manhã que a operação Lava Jato de produzir depoimentos e depois “chamar o cara para assinar”. Bolsonaro não deu detalhes sobre sua acusação. No mesmo vídeo, ele atacou o ex-procurador da República Deltan Dallagnol, recém-filiado ao Podemos, mesmo partido do pré-candidato à Presidência Sérgio Moro, ex-juiz responsável pela maioria das decisões judiciais envolvendo a operação.

Ao comentar por que se negou a receber Dallagnol em audiência no Planalto em 2019, Bolsonaro afirmou: “Se eu tivesse uma audiência com ele, com toda a certeza, eu não iria indicá-lo para PGR (Procuradoria Geral da República), mas ele iria sair com uma história pronta, como eles faziam por ocasião de alguns depoimentos da Lava Jato, escreviam o depoimento e chamavam o cara para assinar.” De acordo com Bolsonaro, a audiência havia sido pedida pouco antes de o presidente indicar o nome de Augusto Aras para o cargo de procurador-geral da República. "E ia falar o quê: que eu teria feito uma proposta indecorosa pra ele, para salvar algum parente. Como ele não aceitou, o Deltan Dallagnol, iria me acusar do quê? De parcial."

Os choques entre Bolsonaro, Moro e Dallagnol cresceram depois que Moro se filiou ao Podemos e lançou o livro Contra o Sistema da Corrupção. Nele, o ex-juiz, que foi ministro da Justiça de Bolsonaro, escreveu:  “Ouvi alguns rumores de que o Planalto teria sido previamente consultado sobre a revisão da condenação em 2.ª instância pelo STF e que não teria apresentado objeção à mudança. O fato é que, na leitura política do Planalto – e isso eu ouvi lá dentro – a soltura do ex-presidente Lula favorecia Bolsonaro na medida em que alimentava a polarização para as eleições de 2022.” Ao comentar a passagem, Bolsonaro disse que Moro, ao entrar para a política, aprendera a mentir muito rápido.

No mesmo vídeo, Bolsonaro divulgou um conteúdo do influencer conservador Kim Paim e afirmou que os seus seguidores ‘têm que assistir e repassar’ adiante. No conteúdo compartilhado, o youtuber retoma a ideia de que Moro foi parcial quando juiz na Lava Jato ao mostrar que mesmo o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), na época filiado ao PSDB, sendo citado em depoimentos da Operação Lava Jato, nenhuma investigação foi aberta para investigar o senador. Atualmente, Alvaro Dias é considerado o patrono de Moro no Podemos.  No vídeo, o youtuber chama ainda Dallagnol de lulista e diz que Moro se ligou a mensaleiros.

Deltan Dallagnol se filiou ao Podemos na última sexta-feira,10, e pretende concorrer a um cargo de deputado federal. Durante discurso no evento, o ex-procurador da Lava Jato resgatou o que toma como avanços da Lava Jato e criticou as medidas do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF). 

A filiação de Dallagnol faz parte do esforço do Podemos em criar uma “bancada da Lava Jato” com ex-integrantes do Judiciário e do Ministério Público. Além de Deltan e Moro, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot também deve se filiar à legenda. /COLABOROU MARCELO GODOY

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.