DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Servidores da Anvisa e petista cobram retratação de Bolsonaro

Deputada federal Erika Kokay e Associação de Servidores da Anvisa cobram retratação do presidente da República por ataques a servidores da agência e vacinação infantil

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

02 de fevereiro de 2022 | 09h43

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) e a Associação de Servidores da Anvisa (Univisa) protocolaram no último domingo, 30, uma interpelação judicial pedindo retratação do presidente Jair Bolsonaro (PL) por ataques feitos a servidores da agência. No mês passado, quando o órgão deu aval à vacinação de crianças contra a covid, o mandatário ameaçou divulgar os nomes dos servidores responsáveis pela decisão, o que foi visto como uma tentativa de intimidação. 

"Eu pedi extraoficialmente o nome das pessoas que aprovaram a vacina para criança a partir de 5 anos. Nós queremos divulgar o nome dessas pessoas para que todo mundo tome conhecimento quem são essas pessoas e obviamente forme o seu juízo", disse o mandatário no dia da aprovação.

Além de retratação, os interpelantes pedem que Bolsonaro preste esclarecimentos a respeito da alegação de que poderia haver “interesses escusos” por parte da Anvisa na liberação dos imunizantes. Em janeiro, o chefe do Executivo questionou quais seriam os interesses dos servidores que, segundo ele, são pessoas "taradas por vacinas”. O presidente da agência, o almirante Antônio Barra Torres, chegou a divulgar uma nota cobrando que o presidente se retratasse por essa declaração. 

No documento, a deputada e a associação argumentam que as ameaças do chefe do Executivo tinham o objetivo de “macular” a imagem da Anvisa e de seus servidores, o que, segundo os interpelantes, “pode configurar lesão aos direitos de personalidade” e gerar direito de indenização. "O interpelado, por meio de suas explicações, pode ratificar sua posição ou negar suas afirmações, delimitando o que pretendeu induzir com as informações prestadas ao povo brasileiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.