Twitter / Reprodução
Twitter / Reprodução

Bolsonaro participa de almoço em embaixada para comemorar independência dos EUA

Ernesto Araújo, alvo de pressão para ser substituído no ministério das Relações Exteriores, participou do encontro

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2020 | 14h39
Atualizado 04 de julho de 2020 | 17h49

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro repetiu o gesto feito no ano passado e participou, neste sábado, 4, de uma comemoração pelo aniversário da independência dos Estados Unidos. Recebido pelo embaixador americano no Brasil, Todd Chapman, na residência do diplomata, no Lago Sul, em Brasília, o presidente chegou por volta das 13h e permaneceu no local por cerca de duas horas.

A comemoração ocorreu em meio à pandemia de covid-19, apesar de ser um evento mais restrito que o do ano anterior, quando Bolsonaro participou de um coquetel na sede da embaixada dos EUA para celebrar a data. Mesmo assim, o almoço reuniu vários ministros, sem cumprir as recomendações de distanciamento social recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde, e sem que os convidados fizessem uso da máscara de proteção, conforme foto do encontro postada pelo próprio presidente em suas redes sociais.

Nesta semana, o presidente Bolsonaro sancionou a lei sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras durante a pandemia, mas vetou trechos que, na prática, desobrigam a utilização do equipamento em locais fechados como igrejas, comércios e escolas. O argumento para justificar o veto foi o de que o dispositivo do texto era muito abrangente e poderia configurar "violação de domicílio".

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, alvo de pressão no Palácio do Planalto para sua substituição, conforme o Estadão/Broadcast Político revelou, estava presente ao almoço. Também participaram os ministros da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos; da Defesa, Fernando Azevedo e Silva; da Casa Civil, Braga Netto; e o Secretário Especial de Assuntos Estratégicos, Flávio Rocha, além do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). O adido de Defesa dos EUA, Lorenzo Harris, também participou do evento.

A ida de um presidente brasileiro à comemoração do feriado americano era incomum até Bolsonaro assumir o Executivo. Em 2019, ele chegou a se comparar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, no evento, e convidou o norte-americano para uma visita ao Brasil, o que não ocorreu desde então.

Pela manhã, Bolsonaro esteve em Santa Catarina, onde cidades atingidas pelo ciclone bomba em Santa Catarina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.