Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bolsonaro ainda não decidiu se assumirá presidência de novo partido, diz porta-voz

Presidente vai se filiar a um novo partido, o Aliança pelo Brasil

Lígia Formenti, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2019 | 22h41

BRASÍLIA – O porta-voz da presidência, Otávio Rego Barros, afirmou que o presidente Jair Bolsonaro ainda não decidiu se assumirá a presidência do partido que será formado por ele e por dissidentes do PSL. “Ele está disposto a liderar, não necessariamente como presidente, mas até como presidente”, disse. 

Um pouco antes, Rego Barros havia dito que Bolsonaro reconhecia uma dificuldade de chefiar o Poder Executivo e, simultaneamente, liderar o novo partido. “O presidente está a analisar essa eventual divergência, mas, reforço, ele está prontamente disposto a liderar esse processo.” O porta-voz observou que Bolsonaro entende que, neste momento, quando o partido está em formação, uma figura forte é necessária.

Semana passada, o presidente, quando questionado se assumiria a presidência da nova sigla, batizada de Aliança pelo Brasil, afirmou: “Acho que sim.”

Rego Barros disse ainda que o presidente avalia que pode usar sua liderança para tornar mais ágil o processo de coletas de assinaturas, etapa indispensável para a criação do partido. Uma das possibilidades é que o presidente viaje em busca de adesões para o novo partido. “Ele tem o entendimento que, a partir da liderança, ele tenha de ser fazer presente em alguns locais para fortalecer, pela sua presença, o próprio partido.”

‘Disque-denúncia’

De acordo com a advogada de Bolsonaro Karina Kufa, o partido criado para abrigar o presidente e parlamentares dissidentes do PSL terá um “canal de denúncias” para identificar laranjas. Segundo ela, seria o principal instrumento para garantir a ética dos integrantes da nova sigla, que será lançada nesta quinta-feira, 21, em um evento em Brasília. Não foi informado ainda se ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antonio, indiciado no inquérito que investiga desvio de recursos por meio de candidaturas femininas laranjas nas eleições de 2018, vai se filiar ao novo partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.