Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro afirma que há um 'sólido grupo' de professores que o apoiam

Em carta, presidenciável confirma colaboração do pesquisador do Ipea, Adolso Sachsida, e nega defesa de 'ideias heterodoxas ou apreço por regimes totalitários'

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

08 Novembro 2017 | 18h48

O deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) divulgou nesta quarta-feira, 8, um "comunicado aos cidadãos do Brasil". Na carta, publicada pelo site O Antagonista, Bolsonaro fala sobre o grupo de professores que está sendo formado para auxiliá-lo politicamente – principalmente em temas relacionados à economia.

Além disso, a carta confirma a colaboração do economista e pesquisador do IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) Adolfo Sachsida. “Nos últimos dias o Dr. Adolfo Sachsida foi apresentado pela imprensa como o “conselheiro” do deputado Jair Bolsonaro. Conforme nota já divulgada, houve sim conversas com o talentoso economista."

Segundo a assessoria do deputado, a carta foi escrita com a ajuda dos filhos do deputado (Eduardo, Flávio e Carlos) e outros colaboradores. A decisão de tornar a existência de uma "equipe de intelectuais e professores" pública acontece justamente após a repercussão negativa da não resposta do deputado a uma pergunta da jornalista Mariana Godoy, da Rede TV, sobre o "tripé Econômico". "Nesse sentido, podemos antecipar que já contamos com um sólido grupo, composto por professores de algumas das melhores universidades do Brasil e da Europa. Indivíduos que são referência na academia, com vários papers publicados em revistas ranqueadas, com larga experiência profissional e sem máculas em seus respectivos históricos".

++ Um conselheiro de Jair Bolsonaro

Em dois momentos, a carta parece tentar amortizar as críticas aos posicionamentos públicos do "colaborador" que se assumiu como tal. Pelas redes sociais, Saschida já defendeu o movimento Escola Sem Partido e entrou em uma polêmica sobre "Hitler ser um homem de esquerda" .

Na carta, Bolsonaro afirma: "Evidentemente que nenhum dos membros de nossa equipe defende ideias heterodoxas ou apreço por regimes totalitários" (...) "Sabemos que estamos lidando com a vida e o futuro de centenas de milhões de pessoas. Assim, afirmamos que, absolutamente, todas as propostas serão pautadas pelo respeito aos contratos, respeito às leis e pelo TOTAL respeito à Constituição Brasileira."

Apesar da carta, a divulgação dos outros nomes do time do Bolsonaro continua a ser postergada: "Sabemos do momento dramático pelo qual o Brasil atravessa e estamos cientes que o nome de Jair Bolsonaro representa esperança de dias melhores para mais de duzentos milhões de brasileiros. Todavia, pedimos um pouco mais de paciência a todos, para que tudo seja feito de forma profissional, séria e ética. Como sempre será feito!"

O filho. Em suas redes sociais, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSC-RJ) afirmou que "tem se encarregado pessoalmente com pessoas da área econômica para aproximá-las de Jair Bolsonaro". Outra parte do comunicado do filho do Bolsonaro também soa como resposta a "imprudência" de Sachsida – que teria sido o único colaborador a se declarar publicamente.

Eduardo Bolsonaro escreveu que está articulando a equipe do pai "nos bastidores, de maneira discreta, sem esperneio ou holofotes, pois só dessa maneira conseguiremos fazer um trabalho sério e construtivo. No momento certo todos saberão quem são essas pessoas, acadêmicos e de vivência no mercado também, que aliás não param de chegar para somar."

Nos bastidores, fala-se que as entrevistadas dadas pelo economista Sachsida não agradaram Jair Bolsonaro e seus filhos. Sachsida teria sido levado ao grupo de Bolsonaro pelas mãos de outro colaborador, o professor de Economia e Secretario Nacional do Patriota (PEN) Bernardo Santoro. Procurado pela reportagem, Santoro não respondeu nossas mensagens. Sachsida também não atendeu à reportagem.

Leia a carta na íntegra:

"Comunicado aos cidadãos do Brasil:

Nos últimos dias o Dr. Adolfo Sachsida foi apresentado pela imprensa como o “conselheiro” do deputado Jair Bolsonaro. Conforme nota já divulgada, houve sim conversas com o talentoso economista.

Também entendemos o interesse da sociedade pela equipe de acadêmicos e profissionais que estão integrando nosso time.

Nesse sentido, podemos antecipar que já contamos com um sólido grupo, composto por professores de algumas das melhores universidades do Brasil e da Europa. Indivíduos que são referência na academia, com vários papers publicados em revistas ranqueadas, com larga experiência profissional e sem máculas em seus respectivos históricos.

Evidentemente que nenhum dos membros de nossa equipe defende ideias heterodoxas ou apreço por regimes totalitários.

Sabemos que estamos lidando com a vida e o futuro de centenas de milhões de pessoas. Assim, afirmamos que, absolutamente, todas as propostas serão pautadas pelo respeito aos contratos, respeito às leis e pelo TOTAL respeito à Constituição Brasileira.

Um amplo trabalho vem sendo desenvolvido há alguns meses e já existiram dezenas de reuniões. Não se tratando de algo rápido ou superficial.

Sabemos do momento dramático pelo qual o Brasil atravessa e estamos cientes que o nome de Jair Bolsonaro representa esperança de dias melhores para mais de duzentos milhões de brasileiros. Todavia, pedimos um pouco mais de paciência a todos, para que tudo seja feito de forma profissional, séria e ética. Como sempre será feito!

Brasil acima de todos e Deus acima de tudo.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.