Cláudia Trevisan/Estadão
Cláudia Trevisan/Estadão

Bolsonaristas tentam atrair projeto dos EUA que coage imprensa

Aliados de Bolsonaro incentivam vinda para o País de organização da extrema direita americana que busca desacreditar jornalistas e empresas de comunicação

Marcelo Godoy, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2020 | 17h00

Apoiadores do governo Bolsonaro estão incentivando a vinda para o Brasil de uma organização da extrema direita americana que busca desacreditar jornalistas, empresas de comunicação e os gigantes da área de tecnologia. O Projeto Veritas apoia o governo de Donald Trump e tem como método principal, segundo especialistas, criar situações para filmar e depois editar de forma seletiva conversas informais de jornalistas e executivos sobre política e suas empresas.

Um dos expoentes da militância bolsonarista nas redes sociais, Allan dos Santos, sócio do site Terça Livre, se encontrou há oito dias com executivos do projeto, em Washington, durante a convenção do Conservative Political Action Conference (CPAC). O evento reuniu alguns dos principais líderes da extrema direita mundial, como o inglês Nigel Farage (Ukip) e o espanhol Santiago Abascal, líder do partido Vox. Allan dos Santos expôs fotos em perfil ao lado deles e tornou público seus contatos com a equipe do Veritas.

O sócio do Terça Livre afirmou ainda que um “cineasta ia fazer uma emissora brasileira se borrar toda em breve”. No dia 29, escreveu sobre o projeto: “Eles usam câmeras escondidas para desmascarar os jornalistas comunistas. Quando teremos algo assim no Brasil?” O Projeto Veritas compartilhou uma publicação de Allan dos Santos com críticas ao Twitter. 

Outro que apoiou trazer as ações do Veritas para o Brasil foi o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Defensor do projeto, o filho do presidente Jair Bolsonaro também afirmou que o objetivo é “desmascarar” a atuação do que ele chama de “mídia esquerdista”.

O principal método do projeto, segundo especialistas em mídia no Brasil e nos Estados Unidos, é criar armadilhas para jornalistas e executivos de plataformas da internet, a quem acusam de censurar “conteúdo conservador”. Recentemente, o grupo lançou uma campanha para que funcionários de meios de comunicação e de empresas como Facebook, Twitter e Google gravem de forma clandestina seus colegas para denunciá-los.

Criado em 2010, o Projeto Veritas é próximo a Trump - muitos de seus membros se identificam como apoiadores do presidente americano, assim como Eduardo e Jair Bolsonaro. O Estado procurou tanto o fundador do projeto, James O’Keefe, quanto o deputado federal, mas não obteve resposta.

Tuítes. Enquanto Allan dos Santos se encontrava com os executivos do Veritas, Eduardo Bolsonaro - que também participava do CPAC - publicava também em sua conta pessoal no Twitter notícias sobre o projeto. Entre os dias 14 e 27 de fevereiro foram quatro tuítes. Em um deles, por exemplo, um vídeo denunciava que apoiadores da campanha do democrata Bernie Sanders defendiam a inocência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Lava Jato por corrupção e lavagem de dinheiro.

O apoio de Sanders a Lula é informação pública, pois o próprio pré-candidato democrata já defendeu a libertação do petista - que ficou 580 dias preso e foi solto em novembro do ano passado. Eduardo, porém, a tratou como se ela fosse uma revelação do Veritas. Em outra publicação, o deputado confirmou seu desejo de trazer o projeto para o Brasil: “Espero o dia em que tenhamos uma iniciativa como o @Project Veritas”.

“O Projeto Veritas parte de uma visão que, se não é desonesta, e de má-fé é, no mínimo, ingênua sobre um ramo de atividade humana que trabalha com o conhecimento. O que interessa não são as crenças do jornalistas, mas se eles fazem seu trabalho de forma honesta e se existem critérios de verificação no seu trabalho e no das empresas”, afirmou Marcelo Träsel, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Para ele, o discurso do Veritas pressupõe um jornalismo militante, que concorde com suas ideias. “Por isso desconfiam do jornalismo profissional”, concluiu.

Para Sérgio Lüdtke, editor-chefe do projeto Comprova, especializado em checagem de fatos, a transparência é o único caminho, o único antídoto contra as ações que buscam desacreditar a mídia. “A única forma de lidar com a desinformação é com mais transparência.” De acordo com Lüdtke, qualquer ataque à imprensa é um ataque à democracia. “Mas há coisas que podemos e devemos ouvir e entender para darmos uma resposta.” 

3 perguntas para Jane Kirtley, professora de ética e lei de mídia da Universidade de Minnesota

1. Quais as consequência da adoção de métodos do Projeto Veritas fora dos EUA?

Eu diria que as consequências podem ser graves se esse tipo de metodologia se espalhar por outros países fora dos Estados Unidos. Em tempos de acusações de ‘fake news’, o tipo de edição seletiva de vídeos que o projeto usa pode ajudar a minar a confiança pública na mídia como um todo.

2. Como o projeto fez para ganhar apoio das forças conservadoras?

Projeto Veritas apresenta-se como o campeão da verdade que revela a tendência da mídia por meio da condução de câmeras escondias e outras formas de entrevista disfarçadas ou por meio de investigações de ONGs ou outros grupos de que, para eles, promovem causas “esquerdistas”. Para quem acha que a grande imprensa é tendenciosa ou mente, o projeto reforça o que ele acredita. Essa situação é o resultado de anos de ataques ideológicos - tanto da esquerda quanto da direita -, que minam a confiança na mídia profissional.

3. Pode o jornalista lutar contra quem deseja desacreditá-lo? Como?

Espero que sim. A ironia é que o projeto exige transparência, mas usa métodos enganosos e, às vezes, meios ilegais para obter informações. Sua edição de áudio e de vídeo pode ser seletiva e deturpada. É essencial explicar que todo ser humano tem tendências, mas existem salvaguardas funcionando na imprensa contra isso. Transparência é a chave, assim como a independência. 

Ação de organização altera rotina em jornais americanos

Ninguém entra mais na redação do Washington Post, em Washington, sem se identificar, ter sua foto e documentos registrados. O visitante é recebido no hall do elevador pela pessoa com quem vai se reunir. “Sem o crachá dessa pessoa, não se consegue acesso à redação ou a qualquer sala”, relatou Cristina Tardáguila, diretora-adjunta da International Fact Checking Network.

Segundo ela, a direção do Post suspendeu os tours pelo novo prédio do jornal. “Os pouquíssimo que são feitos visitam quatro pontos predeterminados da redação e só podem fotografar dois deles (paredes com frases e prêmios Pulitzer). O vai e vem na redação ficou restrito a funcionários do jornal.” Tudo seria reação à ação do Projeto Veritas.

Não é só o jornal americano - vencedor do Pulitzer em 2018 com uma reportagem que desvendou uma armadilha do Veritas contra seus jornalistas - que se protege contra a ação do grupo. No Brasil, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) também tomou providências.

O homem por trás do Veritas é James O’Keefe, que diz mostrar o que chama de desonestidade de corporações de mídia, as tendências políticas de jornalistas e ações secretas de big techs, - gigantes digitais como Facebook, Google e Twitter -, além da corrupção de políticos e de organizações não governamentais identificados com causas “progressistas”. 

O projeto é uma entidade sem fins lucrativos, sustentada por doações de instituições conservadoras. Em 2017, o grupo tentou enganar jornalistas do Washington Post plantando uma falsa testemunha - Jaime Phillips - contra um candidato republicano ao Senado no Alabama, aliado de Donald Trump. O político era investigado em razão de acusações de assédio sexual.

Phillips dizia ter sido vítima do político e tentou gravar os jornalistas. O’Keefe afirmou na época que sua intenção não era plantar uma história falsa ou desmoralizar as vítimas do candidato (sete mulheres o acusavam), mas forçar os jornalistas e emitir opiniões políticas. “Esse é um bom exemplo de como a imprensa deve agir. O mau exemplo é o caso do repórter David Wright”, disse Marcelo Träsel, da Abraji. Wright foi afastado pela rede de TV ABC após conversas suas sobre política terem sido divulgadas pelo Veritas. / COLABORARAM BEATRIZ BULLA e DANIEL BRAMATTI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.