Bolsa-família exclui 451 mil beneficários do programa

Famílias que tiveram o benefício suspenso não se enquadravam mais no perfil; tinham renda superior a R$ 120

Agência Brasil ,

19 de março de 2009 | 16h28

Mais de 400 mil beneficiários do Bolsa-Família foram excluídos do programa pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) entre outubro de 2008 e fevereiro deste ano. As famílias que tiveram o benefício suspenso não se enquadravam mais no perfil do programa ou não atualizaram os cadastros até 31 de dezembro do ano passado. O programa selecionou mais 208 mil famílias para receber a bolsa a partir deste mês.

 

De acordo com o MDS, as irregularidades foram identificadas após o cruzamento de dados do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais) de 2006, do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

 

Com a comparação, foram identificadas 622.476 famílias beneficiárias que tinham renda per capita superior ao teto de R$ 120 estabelecido pelo programa de transferência de renda do governo federal.

Todas tiveram seus benefícios bloqueados em setembro do ano passado e tiveram prazo até 31 dezembro para demonstrar que se enquadravam no perfil do Bolsa Família. Do total, 171.455 famílias comprovaram que atendiam aos critérios do programa e tiveram o benefício liberado. As demais famílias (451.021) foram excluídas.

 

O monitoramento é feito anualmente pela Secretaria de Renda de Cidadania do MDS. Entre 2004 e 2008, o ministério cancelou mais de 2,6 milhões de benefícios por motivos como a melhoria de renda da família ou o descumprimento das contrapartidas nas áreas de educação e saúde por cinco períodos consecutivos.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa-família

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.