Bolsa-Família em MG frustra avanço de Serra

Mesmo com o apoio do senador eleito Aécio Neves (PSDB) e do governador de Minas Gerais Antonio Anastasia (PSDB), a tarefa de transferir votos dados a Dilma Rousseff (PT) no primeiro turno ao presidenciável tucano José Serra está sendo tratada pelos prefeitos do interior do Estado como uma "missão quase impossível". Serra fez campanha ontem em Montes Claros, no norte do Estado, ao lado de Aécio e Anastasia, na tentativa de superar a adversária Dilma Rousseff , que no primeiro turno bateu o PSDB na proporção de três votos para cada um dado ao tucano na região.

AE, Agência Estado

29 de outubro de 2010 | 10h25

O norte de Minas é o berço do voto "Dilmasia", movimento que ganhou força ao longo da campanha do primeiro turno em favor da reeleição do tucano Anastasia e da candidata petista para presidente. A dificuldade que se impõe ao trio tucano para desmontar a preferência por Dilma no segundo turno é grande porque o confronto real na região não é entre Dilma e Serra.

"O Aécio está trabalhando muito e o governador Anastasia também tem se esforçado, mas não há prestígio popular e força política que façam frente ao dinheiro dos programas sociais diretamente no bolso do eleitor", diz o deputado Arlen Santiago (PTB-MG), convencido de que o maior cabo eleitoral de Dilma junto à população mais carente é o Bolsa-Família. Aliado de Aécio e eleitor de Serra, Arlen fala com a autoridade de quem ostenta o título de parlamentar estadual mais votado no norte de Minas.

"O maior adversário do Serra no norte de Minas e Vale do Jequitinhonha é o Bolsa-Família", reforça José Nilson (PDT), prefeito de Padre Carvalho. O prefeito de Montes Claros, Luiz Tadeu Leite, do PMDB, não contesta a tese de que a briga eleitoral na região é um cabo de guerra entre a força política de Aécio e sua capacidade de transferir votos e o Bolsa-Família, que seduz os admiradores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Leite admite que Aécio e Anastasia estão fazendo um trabalho forte e viraram votos, sem, contudo, ameaçar a supremacia de Dilma na região. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.