Bolsa-Família deve começar a ser ampliado em maio, diz Patrus

Programa já deve receber 300 mil novos beneficiários que estão na nova faixa de renda para receber ajuda

Agência Brasil

22 de abril de 2009 | 15h08

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome deve começar em maio a ampliação do número de beneficiários do Bolsa-Família. De acordo com o ministro Patrus Ananias, no próximo mês o programa já deve receber 300 mil novos beneficiários que estão na nova faixa de renda permitida para receber a ajuda mensal. Antes os beneficiários tinham que ter renda mensal per capita de até R$ 120 e agora esse limite foi estendido para R$ 137.

 

Em agosto, outras 500 mil pessoas vão ser incorporadas e em outubro mais 500 mil, fechando assim a meta de 1,3 milhão de novos beneficiários do programa em 2009. Segundo o ministro, apesar de ter mais gente no Bolsa Família - com o acréscimo o programa passa de 11,1 milhões para 12,4 milhões de pessoas -, o governo está trabalhando para que o beneficiários deixem de necessitar da ajuda mensal.

 

"Estamos aperfeiçoando e investindo muito na parte da capacitação profissional, investindo nas políticas de trabalho, capacitação e renda, firmando parcerias para que as famílias possam ir ganhando aos poucos sua autonomia", explicou.

 

O valor da ajuda permanece igual e pode variar de R$ 30 a R$ 182, dependendo da quantidade de pessoas na família. O valor médio pago pela bolsa é de R$ 85.

 

Patrus apresentou o cronograma de ampliação do programa em audiência pública na Comissão de Assuntos Sociais do Senado, junto com outras metas do ministério. "Estamos mantendo, ampliando e aperfeiçoando os outros programas também", afirmou o ministro, referindo-se, por exemplo, ao Benefício de Prestação Continuada (BPC), que o governo paga a idosos e pessoas com deficiência mental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.