Bolsa-Escola terá apoio da Unesco

Os representantes da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) no Brasil anunciaram nesta terça-feira que a avaliação favorável dos programas de Bolsa-Escola já realizados no Brasil fará com que a instituição passe a apoiar iniciativas semelhantes em qualquer município do País que "solicitar ajuda da Unesco". Em entrevista concedida à Agência Estado, durante a Reunião Interministerial de Educação da América Latina e do Caribe em Cochabamba, Jorge Werthein, coordenador dos programas da Unesco no Brasil, disse que a forma mais ágil de atender às exigências de qualidade educacional nos bolsões de miséria rurais e urbanos do País é o Programa de Bolsa-Escola. Werthein afirmou que apesar dos avanços quantitativos da educação brasileira "persistem problemas sérios no setor". As matrículas no ensino básico, atingindo 96% das crianças em idade escolar são uma "conquista", mas a responsabilidade do Estado e dos pais "não termina apenas porque a criança foi matriculada na escola", principalmente para as crianças das famílias muito carentes. A avaliação da Unesco do Programa de Renda Mínima de Brasília norteou a decisão da entidade de investir "essencialmente" em projetos semelhantes. O representante da Unesco no Brasil criticou de modo muito cauteloso a coleta de dados e avaliações "feitas à distância" sobre a educação em vários países latino-americanos, inclusive no Brasil, informando que certos relatórios não consideraram os dados dos dois últimos anos. Ele reconheceu que nos bolsões de miséria os pais não entendem bem os benefícios do investimento educacional em detrimento da opção do trabalho infantil. Werthein descreveu a experiência de apoio da Unesco ao Programa de Bolsa-Escola do Recife como "promissor". No Brasil, a Unesco está trabalhando com projetos de Bolsa-Escola e programas de apoio à abertura das escolas nos fins de semana em 8 capitais - Recife, Rio de Janeiro, Cuiabá, Goiânia, Natal, Fortaleza, Palmas, Maceió e começando em São Paulo. Werthein anunciou que a entidade pretende expandir seu apoio para "qualquer município que pedir". Ele apresentou dados relacionando diminuição de violência com a experiência de abertura das escolas nos fins de semana.

Agencia Estado,

07 de março de 2001 | 00h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.