Bolívia anuncia investimento em gás, mas não garante contrato com Brasil

País deve ter investimento de US$ 1 bilhão em petróleo e gás só em 2008.

Marcia Carmo, BBC

03 de janeiro de 2008 | 20h20

O ministro dos Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas, disse nesta quinta-feira que, mesmo com novos investimentos na área de petróleo e de gás no país, a produção poderá não ser suficiente para atender os contratos em vigor com Brasil e Argentina.Villegas e outras autoridades bolivianas anunciaram nesta quinta-feira investimentos de cerca de US$ 1 bilhão no setor em 2008. Segundo Morales, os recursos partirão das 12 empresas petroleiras instaladas no território boliviano. O ministro disse que cumprirá a legislação boliviana que determina prioridade no abastecimento interno e depois o acordo com Brasil, segundo o qual está prevista cobrança de altas multas pela desobediência do contrato. Ele afirmou ainda que a indústria petroleira precisa de um "um tempo" para mostrar incremento na sua produção. "Vamos tratar de cumprir os contratos, como determina a legislação", afirmou o ministro. CuiabáAs declarações do ministro geraram dúvidas e levaram a Red Erbol, uma das agências de notícias mais consultadas do País, a dizer que a "Bolívia não cumprirá em 2008 com exportação de gás ao Brasil e a Argentina devido a baixa produção". A mesma agência informou que Villegas sinalizou ainda que, no caso do Brasil, a exportação do produto sofrerá "algumas variações", principalmente para o mercado de Cuiabá (MT). Assessores de Villegas observaram que o quadro, neste caso, não seria diferente do que já ocorreu no ano passado, quando o abastecimento para Cuiabá sofreu complicações. "O que o ministro está dizendo é que a Bolívia fará de tudo para cumprir os contratos, mas que a indústria de hidrocarbonetos não reage de forma imediata aos investimentos. Essa produção não aumenta do dia para a noite. Precisa de um tempo", afirmou um assessor. "Ao mesmo tempo, a demanda brasileira de gás boliviano varia, com a importação de 24 milhões de metros cúbicos num dia e de 30 milhões no outro, por exemplo." O presidente boliviano, Evo Morales, disse que os investimentos programados no setor de petróleo e de gás na Bolívia esses são "os maiores" já realizados. Segundo ele, o montante a ser investido - de entre US$ 1 bilhão e US$ 1,2 bilhão consolidados até agora - deverá superar US$ 1,5 bilhão até o fim do ano. Ele ressaltou que os valores anunciados nesta quinta-feira não incluem investimentos prometidos pela petroleira venezuelana PDVSA e pelo governo iraniano. Morales afirmou também, que com estes investimentos, será possível "garantir" o abastecimento de gás comprometido para o mercado interno, para o Brasil e a Argentina.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
bolivialulamoralesgáspetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.