Boato sobre ação do MST põe Aeronáutica em alerta

Um boato de que integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra poderiam tentar ocupar o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) levou o Comando da Aeronáutica a reforçar a segurança da base maranhense. Militares de Fortaleza e Belém foram deslocados para a Base de Alcântara, mas já teriam sido desmobilizados, segundo assessores do Comando da Aeronáutica.Um oficial do CLA informou que, hoje, já não havia nenhuma tropa de reforço no local. O superintendente de plantão da Infraero no Aeroporto de São Luís, Willy Lola, disse que houve movimento de aeronaves da Força Aérea no aeroporto, na quinta-feira e sexta-feira. Segundo ele, cerca de seis aviões Bandeirante teriam aterrisado no aeroporto. Ele não soube informar qual era o destino das aeronaves, mas afirmou que, hoje, nenhuma delas estava no pátio. Ele ressaltou que o deslocamento foi normal se comparado ao já verificado em outras oportunidades, por conta de atividades regulares da Aeronáutica.Na quinta-feira, soou alarme para que a companhia da PM em Alcântara ficasse de prontidão para agir em uma provável chegada de sem-terra ao CLA. Alcântara situa-se a 27 quilômetros de São Luís, por água. É possível chegar ao local por carro, mas neste caso é necessário percorrer cerca de 400 quilômetros, partindo da capital e contornando o Estado. PrevençãoA decisão de prevenir-se contra suposta tentativa de invasão do MST foi tomada, semana passada, diante da ousadia dos sem-terra, que entraram na fazenda dos filhos do presidente Fernando Henrique Cardoso e de informações de que seis ônibus com 170 homens estariam a caminho da base. A suspeita de invasão também circulou em outros meios. O secretário-geral do PT no Maranhão, Domingos Dutra, disse que militares em Belém consultaram o vice-prefeito daquela cidade, Valdir Ganzer, sobre a disposição do MST de ocupar o centro de lançamento. O vice-prefeito telefonou para Dutra em busca de informações. O secretário-geral do PT entrou em contato com lideranças de movimentos populares em Alcântara e recebeu a informação de que famílias ligadas ao MST estariam para chegar à cidade ontem, às 10 horas. O fato acabou não se confirmando, disse Dutra, que é advogado dos moradores de áreas ocupadas pelo centro de lançamento e removidos do local.Dutra também recebeu notícia dos rumores de que integrantes do MST apareceriam em Alcântara pelas lideranças religiosas e comunitárias locais. Hoje, ele não sabia ainda confirmar se o MST estava presente, ou não, nas proximidades da Base, mas havia boatos de que famílias ligadas ao movimento já estariam alojadas em povoados próximos ao centro de lançamento.Segundo Dutra, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Alcântara, Samuel Morais, teria sido convocado pela Aeronáutica para prestar esclarecimentos sobre a onda de rumores. O MST não atua na região do centro de lançamento. No começo da semana passada, o dirigente estadual do MST no MA, Jonas Borges, descartava a possibilidade de qualquer ação do movimento na base. "É impossível uma coisa destas", disse Borges. Dutra informa que o CLA dispõe de 62 mil hectares, dos quais 24 mil foram definidos como área de segurança pela Aeronáutica.Já foram removidas 312 famílias deste local e a Aeronáutica pretende transferir outras 262, que resistem em deixar o local, informou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.