BNDES aguarda PF para suspender financiamentos sob suspeita

Operação Santa Teresa apura desvio de verbas da instituição, tráfico de mulheres e exploração de prostituição

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

24 de abril de 2008 | 18h01

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) se colocou à disposição da Polícia Federal (PF) para colaborar com as investigações da Operação Santa Teresa, que apura o desvio de verbas da instituição, tráfico de mulheres e exploração de prostituição. A instituição diz ainda que deve providenciar a suspensão dos contratos sob investigação.  Veja também:  PF investiga prostituição e encontra fraude no BNDESEspecial: as ações da Polícia Federal no governo Lula PF prende 50 acusados de fraudes contra a Previdência no ES  Uma das nove pessoas presas nesta quinta-feira, 24, pela operação, é um integrante do Conselho de Administração do BNDES, o advogado Ricardo Tosto de Oliveira Carvalho, indicado para o posto pela Força Sindical. Tosto ficou conhecido por ser advogado do ex-prefeito de São Paulo e atual deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) O banco informou que tomou conhecimento da operação só nesta quinta e espera a divulgação pela PF dos financiamentos suspeitos para que possa suspender os desembolsos, "bem como adotar as medidas legais que possam ser necessárias". Também disse ter "o máximo interesse no rápido esclarecimento dos fatos" e lembrou os "princípios de transparência e rigor na utilização dos recursos públicos".  Veja o comunicado na íntegra: "O BNDES tomou conhecimento hoje da operação Santa Tereza, desencadeada pela Polícia Federal. Em respeito aos princípios de transparência e rigor na utilização dos recursos públicos sob sua responsabilidade, o banco informa que já se colocou à disposição da PF para colaborar com as investigações e tem o máximo interesse no rápido esclarecimento dos fatos. O BNDES aguarda a divulgação pela PF das operações do banco que possam ter sido objeto de ação supostamente criminosa para, a partir daí, providenciar a suspensão imediata dos desembolsos dos financiamentos que estiverem sob investigação, bem como adotar medidas legais que possam ser necessárias."  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.