Blog do Planalto usa bordão de Lula para exaltar governo

Um dos bordões do presidente Luiz Inácio Lula da Silva virou título de uma série especial do blog do Planalto, um dos meios de divulgação de notas da Secretaria de Imprensa da Presidência da República. "Nunca antes...", uma referência à famosa frase do presidente - "Nunca antes na história deste País" - abordará ações de "destaque" do governo até o dia 31 de dezembro, quando termina o mandado de Lula.

AE, Agência Estado

03 Dezembro 2010 | 18h40

A série "Nunca antes..." segue a linha dos discursos do presidente de ressaltar pontos positivos das políticas públicas do governo e ignorar problemas e áreas que receberam menos atenção. No primeiro texto, sobre a educação, o blog ignorou o ensino de primeiro e segundo graus, as confusões no Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) e as dificuldades do governo em implementar o Plano Nacional de Educação.

O blog deu destaque ao Programa Universidade para Todos (ProUni), que concedeu até agora 750 mil bolsas em faculdades para jovens carentes. "Nunca antes na história deste País, como bem diria o presidente, o jovem brasileiro teve tanto acesso ao ensino superior", diz o texto de abertura da série. O blog também destacou que, entre 2003 e 2009, as matrículas nas universidades passaram de 3,94 milhões para 5,95 milhões.

A série não entrou na polêmica sobre o porcentual de investimentos em educação. No começo do mês, o ministro Fernando Haddad comemorou o fato de o Brasil investir 5% do Produto Interno Bruto (PIB) no setor. Entidades internacionais sugerem que os países em desenvolvimento invistam pelo menos 6% do PIB na educação - algumas chegam a propor 8%.

Nos congressos do setor, especialistas costumam observar que a Coreia do Sul investiu após a Guerra da Coreia (1950 a 1953) 10% do PIB nas escolas, por um período de dez anos.

Mais conteúdo sobre:
governo imprensa blog Planalto Lula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.