Blair quer Brasil envolvido com próxima reunião do G-8

O Primeiro-Ministro do Reino Unido, Tony Blair, manifestou ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva o seu interesse em que o Brasil contribua na discussão dos temas da próxima reunião do grupo dos oito países mais industrializados do mundo, o G-8. A intenção foi manifestada nesta terça pelo enviado especial de Blair, Lord Levy, durante encontro no Itamaraty com o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim."Não se trata neste momento de um convite, mas de um desejo de ter a contribuição do Brasil de alguma forma", disse Amorim. O chanceler brasileiro avalia que o Brasil poderá dar contribuições nos dois principais temas que integrarão a agenda da reunião do G-8, o auxílio dos países ricos à África e as mudanças climáticas do planeta."Na (discussão sobre a) mudança de clima, o Brasil tem sido um dos líderes para a entrada em vigor do protocolo de Kyoto, então podemos dar uma colaboração intelectual e política", avalia. Com relação à África, o Brasil está atuante, diz Amorim. "O presidente já visitou dez países africanos, o Brasil abriu um embaixada em Adis Abeba (Etiópia), sede da União Africana", informou. Além disso, o apoio à Guiné-Bissau, por meio do "Projeto Ibas (Índia, Brasil, África do Sul)" também credencia o Brasil a abordar o assunto na reunião do G-8. O grupo é integrado pela Alemanha, Grã-Bretanha, França, Itália, Canadá, Japão e Rússia.O enviado de Blair entregou ao presidente carta em que o primeiro ministro britânico assume oficialmente seu apoio à pretensão brasileira de ser membro permanente do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Amorim avalia que, com as mudanças na ONU, o conselho chegue a ter entre 24 e 25 integrantes permanentes e não-permanentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.