Bispo de São Félix é ameaçado de morte e recebe proteção

Agentes da Polícia Federal estão dando proteção ao bispo da prelazia de São Félix, d. Pedro Casaldáliga, em São Félix do Araguaia (MT), que vem sendo ameaçado de morte há um mês, quando tomou a defesa de um grupo de índios xavantes que tentam voltar às terras da Fazenda Suiá-Missu, de onde foram forçados a sair há cerca de 40 anos. Os policiais federais, que contam com cobertura da Polícia Militar de Mato Grosso, foram deslocados para a região por ordem do ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, em atendimento a um pedido feito, na semana passada, pela presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Cerca de 800 índios e um número não calculado de posseiros, trabalhadores sem-terra e empregados das fazendas da região estão acampados de um lado e de outro da rodovia que liga o Sul do Pará a Barra do Garças (MT), vigiados pela Polícia Militar. A situação, que estava muito tensa no início do mês, acalmou-se com a chegada dos agentes federais. A estrada chegou a ficar fechada por alguns dias, mas foi liberada na semana passada. O governador de Mato Grosso, segundo d. Pedro Casaldáliga, havia anunciado que retiraria as forças estaduais da região, deixando a segurança da área nas mãos do governo federal, mas voltou atrás. Ontem de manhã, a Secretaria de Segurança informou ao bispo que não tem condições de manter um contingente, mas prometeu continuar deslocando patrulhas da PM para o local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.