Bispo critica reajuste salarial em missa no Congresso

Ao celebrar missa em ação de graças promovida pelo Congresso, o arcebispo de Brasília, d. João Braz de Aviz, fez nesta quarta-feira uma homilia contundente contra o aumento do salário dos parlamentares e juízes, acusando as autoridades de estarem mais preocupadas com seus interesses do que com os da população. Diante dos presidentes da Câmara, Aldo Rebelo (PC do B-SP), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), d. João afirmou que atitudes como a proposta de aumento de salário "matam o espírito de Natal". "As últimas pautas do Congresso e do Judiciário nos deixaram a sensação de que muitos dos nossos representantes do povo andam preocupados com seus interesses e com os interesses das corporações com as quais estão comprometidos, distantes, porém, do conjunto de interesses de todo o povo brasileiro. Como aceitar que um parlamentar brasileiro receba mais de R$ 800 por dia, quando uma boa parte das pessoas que representa é obrigada a viver com R$ 12 por dia?", indagou o arcebispo, em celebração no chamado Salão Negro do Congresso. "Como aceitar que o Poder Judiciário legisle, em alguns casos, a seu favor, sem demonstrar sensibilidade pelo povo, para quem as leis são feitas e interpretadas", continuou. "Atitudes como a que temos visto matam o espírito de Natal e apresentam uma ameaça real ao espírito de paz que o Natal anuncia." A missa de fim de ano é uma tradição do Congresso e as palavras de d. João provocaram constrangimento em deputados e senadores. "Para mim as palavras do arcebispo foram bem ditas. Elas refletem o sentimento da Igreja e aqueles que têm sentimento de justiça não podem discordar", contemporizou Aldo. "A pena foi que esta proposta de aumento salarial começou pelo Judiciário. Se isso for levado a sério até o último vereador do Brasil, nós vamos ter um bom desfalque desnecessário", afirmou o arcebispo, após a missa.

Agencia Estado,

20 Dezembro 2006 | 19h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.