Bird fecha acordo de R$ 670 mi com governo do RS

O Rio Grande do Sul assinou hoje um acordo preliminar com o Banco Mundial (Bird) para obtenção de uma linha de financiamento de R$ 670 milhões para a criação de um sistema de controle de desastres ambientais, além de ações sociais, modernização de gestão e desenvolvimento regional. O acordo foi assinado, em Brasília, pelo governador do Estado, Tarso Genro (PT), e pelo diretor-geral da instituição no País, Makhtar Diop.

EQUIPE AE, Agência Estado

10 de fevereiro de 2011 | 16h00

As regiões do Rio Grande do Sul que serão beneficiadas pelo investimento estão definidas no Plano Plurianual do Estado, mas não foram detalhadas durante a assinatura do acordo. A aplicação do dinheiro ainda será discutida com as prefeituras. O acordo prevê que o Bird faça o ressarcimento dos recursos após o governo do Rio Grande do Sul fazer os investimentos. O Bird informou que terá condições de iniciar a liberação dos recursos em outubro deste ano.

"Com os recursos poderemos investir em projetos sociais, além da qualificação tecnológica do funcionamento do Estado, principalmente dos controles da receita e da fiscalização ou o funcionamento eletrônico do governo", disse Tarso, após a assinatura do acordo, de acordo com o site do governo gaúcho. "Este empréstimo permitirá, também, que sejam resolvidos pequenos gargalos de determinadas regiões, com obras de ligação asfáltica que beneficiarão municípios gaúchos e para a qualificação tecnológica da base produtiva", completou.

Conforme o site do governo gaúcho, o acordo ainda precisa cumprir algumas etapas antes da liberação dos recursos. Técnicos do Estado irão definir com o Bird uma agenda conjunta de trabalho. Depois, o financiamento precisa ser analisado pela Comissão de Financiamentos Externos do Ministério do Planejamento, pelo Senado e pela Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
BirdRSacordofinanciamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.