Rodolfo Burher/REUTERS
Rodolfo Burher/REUTERS

Biografia de Marcelo revela ‘teologia’ da Odebrecht

Livro desvenda o sistema de pagamento de propinas de empreiteira e conta bastidores das relações da família

Pedro Venceslau , O Estado de S.Paulo

02 de julho de 2017 | 03h00

Dois anos depois da prisão do empresário Marcelo Odebrecht, a primeira biografia do ex-presidente do grupo que leva seu sobrenome chega às livrarias na próxima quinta-feira sem a chancela ou colaboração oficial da família, mas também sem a sua oposição.

Várias tratativas foram feitas entre os autores e o clã, que chegou a sinalizar interesse em participar. A conversa não avançou nas negociações, mas mesmo assim os autores, os jornalistas Marcelo Cabral e Regiane Oliveira, tiveram acesso ao até então impenetrável universo familiar dos Odebrecht.

Se não traz novidades no campo policial, o livro de 400 páginas apresenta um retrato inédito da ideologia por trás da criação do sistema profissional de pagamento de propinas e caixa 2 para uma legião de políticos de todos os espectros ideológicos.

Marcelo subverteu a cultura corporativa criada pelo seu avô, Norberto Odebrecht, uma espécie de teologia que prega a honestidade e a transparência.

O Príncipe – Uma biografia não autorizada de Marcelo Odebrecht, da Editora Astral Cultural, mostra como a Tecnologia Empresarial Odebrecht, batizada de TEO para os iniciados, passou de apenas um guia corporativo para uma “teologia” empresarial que rege a visão de mundo dos convertidos para muito além do escritório.

A TEO começou a ser praticada por Norberto ainda na década de 1940 e foi sendo ampliada aos poucos, até ser formalizada a partir dos anos 1970. A diferença é que outros processos de gestão corporativa em voga dentro das empresas, como o Lean, da Toyota, são basicamente manuais que estipulam regras destinadas a aumentar a produtividade no trabalho. A TEO é mais do que isso: é uma espécie de filosofia de como viver a vida.

A publicação mostra que os colaboradores viam Marcelo Odebrecht não só como um líder empresarial, mas como o portador de um conjunto de valores passados de pai para filho. Tudo isso desmoronou com sua prisão, em 2015.

Embate. O livro apresenta também um retrato da relação conturbada entre Marcelo e o pai, Emílio, que foi o primeiro a sugerir a delação. A resistência inicial do filho em aceitar a proposta abriu uma discussão que contaminou toda a família.

Desde a adolescência de Marcelo, inúmeras pequenas discussões marcaram o dia a dia dos dois, causadas pelos motivos mais inocentes possíveis. 

A obra ainda esmiúça os hábitos e a personalidade controladora do “príncipe”. Ele é apresentado como um executivo avesso a ostentações, mas habituado a manter um controle “marcial” sobre o ambiente, até mesmo dentro da prisão. Em sua cela no Complexo Médico de Pinhais, no Paraná, o detento mantinha sobre seus dois companheiros, ambos ex-diretores da Odebrecht, a mesma hierarquia da empresa.

SERVIÇO

O Príncipe – Uma biografia não autorizada de Marcelo Odebrecht

Autores: Regiane Oliveira e Marcelo Cabral

Editora: Astral Cultural

400 págs. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.