Bilionário britânico compra ilha para funcionários

O magnata britânico Richard Branson acaba de tirar da cartola mais uma de suas excentricidades. Como forma de premiar seus funcionários pelo sucesso das empresas, resolveu comprar uma ilha e nela montar um "retiro de férias". "A ilha vai ser um lugar maravilhoso para eles", garantiu. Presidente do grupo Virgin, que controla desde um selo musical até uma companhia aérea, Branson já cruzou o Oceano Atlântico em um barco e tentou várias vezes dar a volta ao mundo (sem escalas) num balão. O anúncio do empreendimento foi feito ontem, em Perth, na Austrália. A ilha escolhida foi a Makepeace, no sul do litoral australiano. A idéia do milionário é transformar o local - que atualmente possui apenas uma casa e uma piscina - em um "retiro de ecoturismo para seus 50 mil empregados, além de familiares e amigos, curtirem as férias. Para tanto, Branson vai desembolsar US$ 3,2 milhões para construir nos 10,2 hectares em forma de coração da ilha Makepeace uma sede, centros de treinamento, locais para camping, três edifícios para hóspedes, jardins, quadras de tênis e instalações para a prática de esportes aquáticos. A previsão é de que as obras estejam concluídas em um ano. "O que torna a Virgin especial é a nossa gente. E a ilha vai ser um retiro fantástico, onde eles também terão a oportunidade de passar algum tempo juntos e se conhecer melhor fora do ambiente de trabalho", justificou o bilionário. ?Quero a Virgin tão famosa quanto a Coca-Cola? Branson, de 53 anos, dono de uma fortuna avaliada em US$ 4 bilhões, tem motivos de sobra para estar feliz. Afinal, o faturamento da Virgin vai de vento em popa. Um dos exemplos, na Austrália, é a Virgin Blue, companhia aérea que vende passagens a preços baixos e apresentou lucro 200% superior ao de 2002. Trata-se de uma façanha para uma empresa que atua num ramo que vem sendo castigado após os atentados de 2001 nos EUA. Mas o magnata britânico quer mais. Prova disso é que uma de suas frases mais repetidas é: "Quero a Virgin tão famosa quanto a Coca-Cola." Afora a vontade de engordar a fortuna, Branson também gosta de se aventurar - nos negócios ou nos esportes. A última investida ocorreu em fevereiro. Em meio à contagem regressiva para a guerra do Iraque, ele foi ao vizinho Kuwait inaugurar a primeira megastore (de CDs e livros) da Virgin Records, réplica das que já existem em vários outros países. Em 1998, numa tentativa de dar a volta ao mundo, Branson voou por oito dias a bordo de um balão de alta tecnologia. Só não obteve sucesso porque o balão foi impedido de prosseguir a viagem por problemas climáticos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.