BH monta esquema de segurança para velório de Alencar

Este será o quarto velório no Palácio da Liberdade desde a redemocratização do País

Marcelo Portela, da Agência Estado,

30 de março de 2011 | 18h18

BELO HORIZONTE - Um forte aparato de segurança será montado nas ruas de Belo Horizonte (MG) e no entorno da Praça da Liberdade para o cortejo e velório, aberto ao público, do ex-vice-presidente José Alencar. Segundo a assessoria do governo mineiro, este será o quarto velório realizado no Palácio da Liberdade, antiga sede do Executivo estadual, desde a redemocratização do País, sendo o segundo que terá honrarias de chefe de Estado.

O primeiro foi o do presidente Tancredo Neves, que morreu antes de assumir o cargo, realizado em 23 de abril de 1985. Na ocasião, milhares de pessoas foram ao palácio para tentar despedir-se do presidente. A multidão começou a chegar ao local ainda pela manhã, apesar de o corpo só ter desembarcado na capital de tarde. A estimativa da Polícia Militar é de que de que 30 mil pessoas estavam no local. A multidão começou a se espremer e, diante da pressão, parte das grades do palácio não aguentou e veio abaixo. Quando o tumulto terminou, sete pessoas haviam morrido e 271 estavam feridas.

Desta vez, mesmo sem a expectativa de uma multidão como a que foi ao local em 1985, o entorno do palácio foi preparado para que não ocorra uma nova confusão. A alameda lateral ao prédio será fechada para o trânsito e terá grades para organizar a fila de pessoas que porventura queiram dar adeus a Alencar.

A previsão é de que o corpo do ex-vice-presidente chegue à base aérea da Pampulha às 7h30 e siga por algumas das principais vias da capital até a Praça da Liberdade. Caso não chova, o caixão será levado em carro aberto do Corpo de Bombeiros. Às 8h30, terá início uma cerimônia restrita à família.

Às 9h será liberado o acesso ao público, que entrará por um portão lateral, passará em frente ao caixão e saíra pela outra lateral do palácio, na avenida Cristóvão Colombo. A segurança no interior e no entorno do prédio ficará a cargo da Polícia Militar, dos Dragões da Inconfidência (guarda de honra do governador) e de homens das Forças Armadas, que também participarão do cortejo. Segundo o governo mineiro, homens do Corpo de Bombeiros e pelo menos três ambulâncias serão mantidos de prontidão no local para o caso de haver alguma emergência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.