Bezerra garante que corrupção no Finor é menor

O ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, disse hoje que o deputado José Pimentel (PT-PE), sub-relator da CPI que investiga irregularidades no Fundo de Investimentos do Nordeste (Finor), cometeu um equívoco, ao apontar como sendo de R$ 2,4 bilhões os desvios na Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). "Na verdade, o montante é de R$ 415 milhões", afirmou. "Acho que o deputado se confundiu e inseriu projetos que foram cancelados e que não receberam recursos".Segundo o deputado federal Múcio Sá (PMDB-RN), correligionário de Bezerra, o prejuízo da Sudene é de R$ 1,43 bilhão, desde a adoção do Finor, em 1962.O diretor-geral da Agência de Desenvolvimento do Nordeste (Adene) - anunciou o ministro - deve ser o funcionário de carreira do BNDES Wagner Bittencourt, que foi o último superintendente da Sudene. Os nomes de Bittencourt e dos demais componentes da diretoria devem ser submetidos ao Senado em 120 dias.Bezerra não quis adiantar qual será o destino dos 916 funcionários da Sudene após a extinção do órgão. "Vamos melhorar o salário daqueles que forem selecionados num concurso, a ser realizado internamente e em breve. É inadimissível que gente que lida com milhões ganhe um salário inicial de R$ 700 e, ao fim da carreira, R$ 3 mil", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.