Beto Mansur: "Governo acha que julgamento pode ser concluído nesta quarta-feira"

De acordo com o deputado, presidente Michel Temer está tranquilo e confiante de que não será cassado pelo TSE

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

06 de junho de 2017 | 22h01

O governo acredita que o julgamento da chapa Dilma-Temer pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pode acabar já nesta quarta-feira, 7, sem nenhum pedido de vistas, afirmou na noite desta terça-feira, ao Estadão, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Beto Mansur (PRB-SP). O parlamentar paulista saiu há pouco do Palácio do Planalto, onde assistia à primeira sessão de julgamento com Temer, ministros e outros deputados.

"A gente acha que o (ministro) Herman (Benjamin, relator da ação) deve concluir a leitura do voto dele hoje e encerra amanhã com o votos dos (outros) ministros", afirmou o vice-líder do governo. O presidente da Corte Eleitoral, ministro Gilmar Mendes, marcou pelo menos quatro sessões para o julgamento: uma na noite desta terça-feira, outra na quarta-feira pela manhã e duas na quinta-feira, 8, sendo uma pela manhã e outra à noite. 

Mansur afirmou que Temer está assistindo ao julgamento no gabinete presidencial, ao lado dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo). O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também está no local. Segundo o deputado paulista, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), chegou por volta das 21h30 ao Planalto para também assistir ao julgamento.

O vice-líder do governo afirma que Temer, os ministros e parlamentares assistem ao julgamento em uma grande televisão. De acordo com ele, não foi servido um jantar para os presentes. "Teve apenas um lanche", disse. Mansur afirmou, ainda, que o presidente está "tranquilo" e "confiante" de que não será cassado pelo TSE. O parlamentar evitou, porém, arriscar um placar de votos de ministros da Corte favorável ao governo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.