Bernardo:governo deve remunerar elétricas por uso de linha de banda larga

Ministro disse que em conversa com Dilma ficou claro que prioridade do governo na área é o Plano Nacional de Banda Larga

Leonencio Nossa e Lisandra Paraguassu, de O Estado S.Paulo,

07 de janeiro de 2011 | 13h29

BRASÍLIA - O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, informou nesta sexta-feira, 7, que o governo pretende utilizar as linhas de fibra ótica de empresas de energia e de estatais como a Petrobrás para garantir um Plano Nacional de Banda Larga. "Evidentemente vamos ter de remunerar as empresas. Se a rede for construída com recursos próprios, elas vão querer uma remuneração para essa rede. Vamos ter que discutir isso também", disse o ministro,em entrevista há pouco no Palácio do Planalto, após reunião com a presidente Dilma Rousseff.

 

Veja também:

 

linkPaulo Bernardo afirma que solução para o Correio é 'muito mais simples'

 

link Dilma aprova postura sobre concessão de TV, diz Bernardo

 

Bernardo disse que o governo tentará fechar um convênio para que a Telebrás opere a rede de fibra ótica, composta por linhas das empresas estimadas em 30 mil quilômetros. Ele informou que o governo trabalha com a meta de garantir uma tarifa diferenciada de R$ 30 para os usuários de baixa renda. "Existem setores da classe média que reclamam, mas pagam uma tarifa de cerca de R$ 100. Mas outros não têm condições de pagar", afirmou, que admitiu a possibilidade de uma tarifa subsidiada:"se precisar, vamos fazer isso".

 

Paulo Bernardo afirmou que na próxima semana abrirá uma série de discussões com empresas, organizações da área de acesso digital e governadores para discutir o Plano Nacional de Banda Larga, que ele pretende apresentar à presidente Dilma, até o final de abril.Com os governadores, o ministro tentará uma redução no ICMS para um custo mais barato do programa.

 

O ministro disse que na conversa de hoje com Dilma ficou claro que a prioridade do governo na área das comunicações é o Plano Nacional de Banda Larga. "Temos de dar prioridade à questão da banda larga", afirmou. "Existe uma classe média cada vez mais numerosa, e as pessoas estão cada vez mais sedentas por informação. Até o mês de abril vamos chegar a um termo de acordo", disse Bernardo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.