Bernardo Figueiredo é cotado para o lugar de Pagot

Senadores do PR já trabalham para acertar a substituição do diretor do Dnit

Andrea Jubé Vianna e Rosa Costa, da Agência Estado

12 de julho de 2011 | 16h14

BRASÍLIA - A ausência dos senadores do PR no depoimento do diretor-geral afastado do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antonio Pagot, ao Senado se deve às negociações para a escolha do substituto dele, que será indicado pela bancada. Um dos nomes cogitados para o lugar de Pagot é o do mineiro Bernardo Figueiredo, diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT).

Na avaliação do PR, Figueiredo tem três qualidades que agradariam o governo: o perfil técnico adequado ao cargo, o nome livre de envolvimento com irregularidades e a simpatia da presidente Dilma Rousseff. Antes de assumir a ANTT, Figueiredo trabalhou com Dilma quando ela era ministra-chefe da Casa Civil e coube a ela indicá-lo para o comando da agência reguladora. Ele foi subchefe de Articulação e Monitoramento da Casa Civil.

Ao contrário dos deputados do PR, que ainda defendem a permanência de Pagot no cargo, os senadores já trabalham pela substituição dele. Pagot explicou durante o seu depoimento que não se afastou do cargo, apenas entrou em férias. No entanto, o Palácio do Planalto já anunciou que Pagot será exonerado do posto.

Dos seis senadores em exercício do PR, apenas dois compareceram à audiência pública em que Pagot prestou esclarecimentos sobre as denúncias de corrupção no Ministério dos Transportes que o atingiram e derrubaram o ex-ministro Alfredo Nascimento: Blairo Maggi (MT), que indicou Pagot para o comando do Dnit, e Clésio Andrade (MG), como vice-líder da bancada. Clésio representou o líder do PR, Magno Malta (ES), que justificou a ausência por problemas de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.