Bernardo: eleições não definem reajuste no Bolsa Família

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, tentou desvincular o aumento dos recursos previstos para o programa Bolsa Família do fato de o ano que vem ter eleições municipais. "Não tomamos essa decisão pelas eleições, mesmo porque nas últimas eleições os adversários elogiaram o Bolsa Família, dizendo que continuariam o programa e que adoravam o Bolsa Família", disse Bernardo.De acordo com a proposta orçamentária de 2008 enviada hoje ao Congresso Nacional, o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, que opera o Bolsa Família, terá R$ 13,25 bilhões disponíveis, 26,23% superior ao previsto para 2007. O ministro também destacou que a menina dos olhos do Orçamento de 2008 e do Plano Plurianual (PPA 2008-2011) será educação, cuja previsão de recursos para despesas não obrigatórias será de R$ 12,723 bilhões em 2008, um crescimento de 31,89% em relação a 2007.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.