Bernardo diz que governo ainda estuda valor de diárias

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse que o governo ainda está estudando o valor que será fixado para as diárias que serão pagas aos ministros e descartou a possibilidade de se voltar a pagar verbas de representação, como chegou a ser discutido em reunião no Planalto. Segundo ele, o valor deve variar de R$ 400 a R$ 450, embora o número final não tenha sido ainda "fechado". Paulo Bernardo explicou que para fazer o estudo, o governo está avaliando, inclusive os valores pagos pelos poderes Legislativo e Judiciário e a idéia é tirar uma "média" para se chegar a um valor ideal. Paulo Bernardo informou que "nos próximos dias" será divulgada uma cartilha dando instruções aos servidores públicos sobre o uso de recursos federais em atividades de trabalho. As instruções serão em torno do uso de carros oficiais, aluguel de carros, pagamento de diárias e auxílio-moradia. Sobre a divulgação na internet das despesas dos funcionários do governo com os cartões corporativos, por meio de notas fiscais apresentadas, o ministro acredita que isso irá demorar pelo menos mais 90 dias. Ele justificou que é preciso criar um sistema que permita que o servidor, ao prestar contas, já o faça diretamente na internet, porque senão será necessário se contratar inúmero digitadores, o que considera inviável. Então, a demora, explicou, é para haver adequação de um sistema técnico para divulgar os dados. "Vamos fazer a alteração no sistema e o próprio ordenador de despesas vai fazer isso direto no sistema. Mas isso demora, pelo menos, uns 90 dias", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.