Bernardo defende 'pente fino' em convênios para eventos

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, defendeu nesta manhã um "pente fino" nos convênios para a promoção de eventos financiados a partir de emendas parlamentares ao Orçamento. De acordo com uma série de reportagens do jornal O Estado de S. Paulo, recursos foram destinados a entidades de fachada, cujo funcionamento é apoiado em declarações falsas. "Quem fizer declaração falsa, quem fizer uso desse dinheiro, tem de ser condenado. Tem de ir para a Justiça", afirmou Bernardo, que participou hoje de solenidade em comemoração dos dez anos de pregão eletrônico.

LU AIKO OTTA, Agência Estado

14 Dezembro 2010 | 11h46

Ele disse que o governo tem responsabilidade nos escândalos que vêm sendo denunciados, mas o Congresso Nacional também tem a sua cota. "O que não dá é a pessoa falar ''Eu mando a emenda, mas não sei de nada''. Isso não existe. Tem que ter responsabilização política e jurídica de quem faz essas coisas", defendeu.

Bernardo acrescentou que há um compromisso político do governo com o Congresso, segundo o qual os parlamentares não apresentarão mais emendas ao Orçamento para financiar eventos. "Se o Congresso não tirar isso, o Executivo vai fazer", avisou o ministro. "Ou o Congresso tira ou o governo vai simplesmente bloquear essas emendas."

Mais conteúdo sobre:
denúncia emendas convênio Bernardo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.