Bernardo admite constrangimento com portal

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, disse hoje que o Portal do Planejamento voltará a funcionar assim que forem resolvidos todos os problemas. "Na minha opinião, volta. O portal causou uma incompreensão que nos colocou numa situação meio constrangedora", afirmou o ministro, ao chegar ao Ministério da Fazenda para a reunião do Conselho Monetário Nacional. O portal foi retirado do ar, na última sexta-feira, um dia após o seu lançamento, porque alguns ministros reclamaram das avaliações sobre suas respectivas áreas.

RENATA VERÍSSIMO, Agência Estado

22 de junho de 2010 | 13h47

Bernardo explicou que não vê problema em ter um portal de debates, mas disse que a avaliação dos técnicos não pode ser considerada como a posição do Ministério do Planejamento. Ele explicou que alguns textos incluídos no Portal, na semana passada, sobre políticas de governo, não levaram em consideração a opinião dos Ministérios. "Por exemplo: O Ministério da Educação teve suas políticas avaliadas e não deu opinião. O ministro Haddad reclamou com razão", disse Bernardo.

"Outra coisa que ficou ruim é que embora a gente ache democrático um técnico fazer suas avaliações, elas não podem ser atribuídas a mim ou ao Ministério do Planejamento. Se nós temos um portal, estas coisas ficam confundidas", disse Bernardo.

O ministro afirmou que o Portal será melhorado. Ele, no entanto, não quis estabelecer um prazo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.