Berlusconi lamenta decisão sobre Battisti, lutará por extradição

O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi se disse desapontado pela decisão do Supremo Tribunal Federal do Brasil de negar a extradição do ex-ativista Cesare Battisti e afirmou que o país manterá os esforços para levá-lo à Justiça.

REUTERS

09 de junho de 2011 | 08h17

Battisti foi condenado à revelia na Itália à prisão perpétua por quatro homicídios cometidos na década de 1970, quando integrava a organização Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). Ele nega todas as acusações e diz ser vítima de perseguição política.

Imagens da TV mostraram Battisti deixando o presídio da Papuda, em Brasília, em um carro no início da madrugada desta quinta-feira, horas depois da decisão do Supremo.

Foragido desde 1981, ele foi preso no Rio de Janeiro em 2007 e recebeu do então ministro da Justiça, Tarso Genro, o status de refugiado político, contrariando decisão anterior do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare).

O governo italiano investiu tempo e prestígio no processo de extradição do ex-ativista. A ministra para assuntos da juventude, Giorgia Meloni, classificou a decisão da suprema corte brasileira como "a mais recente humilhação infligida às famílias das vítimas" e uma "tapa no rosto da Itália".

Em comunicado, o presidente italiano, Giorgio Napolitano, afirmou "deplorar" a decisão e expressou seu respeito às famílias das vítimas dos crimes que, segundo ele, foram cometidos por Battisti.

A parlamentar Alessandra Mussolini, neta do ex-ditador Benito Mussolini, que chefiou a Itália durante a Segunda Guerra Mundial, pediu que a Itália promova retaliações diplomáticas contra o Brasil.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICABERLUSCONIBATTISTI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.