Benefícios da Previdência são incompatíveis com o Brasil, diz Dirceu

O ministro da Casa Civil, José Dirceu, afirmou hoje que os benefícios da Previdência pública são incompatíveis com o Brasil de hoje. "Estamos criando uma reforma compatível com o Brasil de hoje. Aposentadoria aos 48 anos, aos 53 anos no serviço público, o País não pode, o Brasil não tem riqueza para isso", declarou Dirceu, durante a missa em homenagem aos trabalhadores, em São Bernardo do Campo (SP). Segundo ele, a conta da Previdência já chega a R$ 23 bilhões por ano. "Alguns Estados já não estão pagando mais funcionários. Vários estão com salários atrasados", ressaltou Dirceu. "Não vamos fazer a reforma só porque queremos. Vamos fazer porque é necessária", continuou o ministro, citando os benefícios que ela poderá trazer ao País. "É uma reforma que vai elevar o piso do trabalhador do INSS, vai tirar a cobrança da folha para criar empregos, vai dar o autônomo a possibilidade de entrar na Previdência", anotou. Para ele, "está se criando todo um esquema de fiscalização, combatendo a fiscalização, modificando a gestão do INSS".Dirceu também recusou qualquer insinuação de que os números não estão bem explicados. "Os dados são completamente transparentes", refutou Dirceu. Para ele, as reformas não excluem outras promessas de campanha, mas são prioridade. "Precisamos combater a pobreza? Precisamos. Agora, essa questão vem junto com as reformas.... Os dados todos são públicos e os servidores conhecem os números também."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.