Benedita vai ao sambódromo, mas não samba

O camarote oficial do governo do Estado no Sambódromo vai mudar de anfitrião, mas a falta de gosto pela folia continua a mesma. Sai o governador do Rio, Anthony Garotinho (PSB), entra a vice-governadora, a petista Benedita da Silva. Mas tanto um quanto outro não são do samba.Evangélicos, ambos vão à Passarela do Samba apenas para cumprir formalidades. Garotinho, que no ano passado proibiu bebidas alcóolicas no camarote, para a infelicidade de alguns convivas, este ano resolveu ficar bem longe da Sapucaí: embarcou nesta sexta-feira para a Europa, onde permanecerá durante oito dias em viagem oficial.Ex-Miss SambaSobrou para Benedita, que volta ao cenário da festa depois de 33 anos sem participar de desfiles. ?Todo mundo conhece a vida de Benedita. Já desfilei em um monte de escolas, fui Miss Samba no quarto centenário do Rio de Janeiro (em 1965), mas isso para mim foi uma etapa da minha vida, agora a minha opção é outra?, disse a vice-governadora, que habitualmente aproveita os dias de Momo em retiros espirituais. ?Fico numa boa, orando na minha igreja, para que a festa ocorra na mais perfeita paz.?Já o marido, o ator Antônio Pitanga, sai há anos na Mangueira. Mas, neste quesito, briga entre os dois não há. Conflito mesmo está na esfera pública. E entre o prefeito César Maia e Garotinho. Por causa da birra entre eles, por pouco o camarote oficial do governador não saiu do papel.BriguinhaBenedita soube de última hora que assumiria o governo do Rio e, ao ler os jornais desta sexta-feira, ficou surpresa com a suposta ameaça da prefeitura de cassar as 26 credenciais destinadas ao staff do governador, o que poderia inviabilizar o funcionamento do camarote.Logo de manhã, Benedita se reuniu com Maia, depois teve um encontro com o secretário estadual de Segurança Pública, coronel Josias Quintal, e sua equipe. A vice-governadora garantiu que as reuniões foram só para discutir problemas de segurança no carnaval e a preparação de um esquema para chuvas que podem cair no Rio, segundo previsão da meteorologia.?Se tiver camarote, eu estarei lá; se não tiver camarote, não estarei, vou para a rua. Estando governadora, não posso ficar em casa com uma multidão brincando por aí. A minha preocupação não é com o camarote?, garantiu a vice-governadora, à tarde, em entrevista à imprensa.Pouco depois, o secretário municipal de Turismo, José Eduardo Guinle, apressou-se a desfazer qualquer mal-entendido. ?Em nenhum momento, cassamos credenciais do camarote do governador. Assim que soube que o governador iria viajar, apenas segurei as credenciais, esperando uma posição da Benedita, porque o camarote não é do governador, mas do governo do Estado?, explicou.Chuva de pedidosGuinle disse que Benedita pediu apenas 10 credenciais para ela e seu staff, incluindo quatro seguranças. Na entrevista aos jornalistas, a vice-governadora disse que pretende receber todos os 50 convidados de Garotinho e garantiu que, fora sua equipe de assessores, negou o acesso de amigos ao camarote, embora a capacidade do local seja para 100 pessoas.?Eu já recebi fax do Brasil inteiro. Desde que noticiaram que havia o camarote da Benedita, de repente começou a chover (pedidos), e eu tive que dizer pra todo mundo: ?o camarote não é meu, não fui eu quem organizou, estou indo de corpo presente, evidente, mas não me peçam nada porque eu não tenho como atender.? No camarote, estou indo para receber os convidados do governador?, alegou Benedita, que não sabe nem mesmo como chegar ao local.Como o camarote da prefeitura fica ao lado, quem sabe, o prefeito César Maia desta vez poderá ajudá-la. Garotinho, afinal, estará bem longe dali.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.