Benedita atribui ao PT nomeação da Waldomiro para Loterj

A ex-ministra da Assistência Social e ex-governadora petistaBenedita da Silva responsabilizou hoje o PT pela permanência de Waldomiro Diniz na presidência da Loterj depois queassumiu o governo, em abril de 2002. Segundo Benedita, que voltou de uma viagem de 96 dias ao exterior, Waldomiroficou no posto (para o qual foi nomeado pelo governador Anthony Garotinho) por atender a critérios fixados pelo partido. Eleacabou, porém, filmado pedindo dinheiro ao empresário Carlos Ramos, o Carlinhos Cachoeira, em fita que o derrubou dasubchefia de Assuntos Parlamentares do governo federal, em fevereiro, e abriu a maior crise do governo Luiz Inácio Lula daSilva.?A prioridade nas escolhas foi uma coisa colocada partidariamente?, afirmou a ex-governadora. ?Primeiro, os servidorespúblicos concursados; depois, o servidor público que por sua competência estava desempenhando uma função...? Ela ressaltouque essa foi uma orientação ?partidária? e disse que ninguém lhe pediu que especificamente Waldomiro fosse mantido na Loterjquando assumiu. ?(Isso) Não é uma responsabilidade minha, não; foi uma responsabilidade do critério de escolha que tivemospara que permanecessem nos cargos algumas pessoas que já tinham sido do governo Garotinho?, declarou ela, que ressaltounão ter feito ?caça às bruxas? (perseguição a chefias da gestão anterior).A ex-governadora insistiu que Waldomiro era servidor de carreira da Caixa Econômica Federal (órgão no qual ele não trabalhadesde o início dos anos 90) e disse que vários funcionários estavam nas mesmas condições e foram mantidos nos postos apósa sua posse. ?Quando cheguei ao governo do Estado, as escolhas foram feitas por esses critérios, e não porque a pessoa,homem ou mulher, ou no caso, até mesmo Waldomiro, tivesse um critério diferenciado?, repisou. A petista também negou queLuiz Eduardo Soares, seu candidato a vice em 2002, a tivesse avisado que Waldomiro pedia ilegalmente dinheiro de campanha.?Acredito que ele deve ter se equivocado?, afirmou. ?Até porque não tratei de campanha. Tratei de governo. De campanhatratou o Partido dos Trabalhadores. Isso tem que ficar muito claro, porque não vou amontoar brasas sobre a minha cabeça.Então, mais uma vez vou reafirmar: eu não sou candidata de mim mesma. Só saio candidata ou assumo qualquer função oucargo quando isso é articulado e combinado com o meu partido.Portanto, as responsabilidades são nossas. Não é responsabilidade da Benedita.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.