Beira-Mar diz à PF que lista de envolvidos não existe

A Polícia Federal ouviu hojeinformalmente, por mais de uma hora, o traficante Luiz Fernandoda Costa, o Fernandinho Beira-Mar, sobre a existência de umasuposta lista que teria em seu poder com nomes de policiais,políticos e empresários envolvidos com o narcotráfico. Odepoimento ocorreu na Superintendência da PF em Brasília, ondeele está preso desde a semana passada. Beira-Mar falou da listano ano passado durante depoimento, por telefone, à CPI doNarcotráfico de Minas Gerais. A PF abriu inquérito parainvestigar o caso. Beira-Mar foi ouvido pelo corregedor-geral da PF, IvanNogueira, e pelo delegado Davi Fernandes, da Delegacia deRepressão a Entorpecentes (DRE), da PF do Rio. A conversa foiacompanhada pelo advogado de Beira-Mar, Adalberto Lustosa deMatos. Além de negar a existência da lista, o traficante afirmou àPF que não conversou sobre o assunto com o secretário deSegurança Pública do Rio, Josias Quintal. De acordo com oadvogado, Beira-Mar contou que seu encontro com Quintal, naColômbia, durou apenas cinco minutos. Segundo o advogado Adalberto de Matos, Beira-Mar também serecusou a delatar pessoas supostamente envolvidas com o tráfico."Ele (Beira-Mar) não vai fazer papel de alcaguete", disseMatos, que esteve hoje duas vezes com o traficante. O advogadoafirmou que Beira-Mar demonstrou interesse em receber a visitade quatro de seus 11 filhos que moram no Rio. O encontro deveocorrer na quarta ou quinta-feira. Hoje, após ser submetido a nova avaliação, a equipe médica daPolícia Federal concluiu que Fernandinho Beira-Mar tem"condições psíquicas" de prestar depoimento. De acordo com omédico Hildiberto Vitoriano de Souza, da PF, o traficante nãosente mais dores no braço direito, mas terá de ser submetido aexames radiológicos daqui a oito dias. Esses exames, que serãofeitos a cada 15 dias, é que vão definir quanto Beira-Mar terácondições de ser transferido. Ele foi submetido a uma cirurgiana semana passada. Beira-Mar disse ao advogado que pretende permanecer emBrasília para continuar seu tratamento. Na semana passada, otraficante demonstrou desejo de ser transferido para o Rio. Mas,segundo Adalberto de Matos, ele mudou de idéia "porque gostoudo atendimento que está recebendo da equipe médica da PF". Nofinal de semana, Beira-Mar cortou o cabelo e fez a barba. Com a recuperação do quadro de saúde de Beira-Mar, aComissão Mista do Roubo de Cargas poderá marcar o depoimento dotraficante ainda esta semana. Os deputados querem saber deledetalhes sobre as conexões entre o roubo de cargas e o tráficode drogas no País. O advogado reafirmou que Beira-Marcomparecerá ao depoimento, mas deve permanecer calado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.