Beira-Mar depõe na PF e no Congresso

A Polícia Federal deverá ouvir, até o final desta semana, o depoimento do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, preso em Brasília há seis dias. Beira-Mar também já foi convocado a depor na Comissão Mista de Roubo de Cargas, do Congresso, onde será questionado a apresentar detalhes das conexões entre o roubo de cargas e o tráfico de drogas no País. O depoimento está previsto para esta semana. O advogado do traficante, Adalberto Lustosa de Matos, garante que ele comparecerá, "mas vai exercer o direito constitucional de ficar calado".A PF vai pedir a quebra de sigilo bancário de mais de 200 contas de pessoas envolvidas com Beira-Mar e já instaurou inquérito para investigar o envolvimento dele com crimes de lavagem de dinheiro, contrabando de armas e associação criminosa internacional. A Polícia Federal vai confrontar a documentação recebida do Exército e da polícia da Colômbia sobre as atividades de Beira-Mar naquele país com as investigações já realizadas no Brasil.Os delegados da PF já têm indícios de que o traficante, que já estaria em condições de depor, segundo avaliação médica, seria um grande "atravessador" de drogas com contatos com os cartéis da América Latina e distribuidores de vários países. Na semana passada, Beira-Mar revelou a um grupo de deputados, entre os quais o relator da CPI do Narcotráfico, deputado Moroni Torgan (PFL-CE), que mensalmente passam 20 toneladas de cocaína pelo Brasil vindos dos cartéis da Colômbia. A droga é levada para distribuidores da Europa.Recurso - Preso na Superintendência da PF em Brasília, Beira-Mar vai tentar esta semana, por meio de seus advogados, se livrar de um processo no qual foi condenado por tráfico de drogas em Minas Gerais. O advogado do traficante, Adalberto Lustosa de Matos, entrará com um recurso de revisão criminal no Tribunal de Justiça mineiro na tentativa de anular a sentença condenatória do traficante. Beira-Mar foi condenado, em 1996, acusado pela posse - em Belo Horizonte (MG) e Cabo Frio (RJ) - de 108 quilos de cocaína. Mas, segundo o advogado, a condenação do traficante seria ilegal porque o flagrante teria sido forjado.Essa não é a primeira vez que Matos se vale desse argumento para tentar livrar Beira-Mar da condenação. Além de tentar anular a condenação, os advogados de Beira-Mar vão trabalhar transferi-lo de Brasília para o Rio de Janeiro, onde ele tem outros parentes presos por tráfico. A transferência, entretanto, depende da decisão dos juízes de Cabo Frio e Caxias, onde o traficante já foi condenado.Na semana passada, os juízes de Minas e do Rio decidiram que, por enquanto, Beira-Mar deve ficar preso em Brasília. O traficante deverá receber, esta semana, a visita de dois filhos seus que moram no Rio. Na sexta-feira, eles solicitaram um encontro com o pai em Brasília, mas não compareceram à Superintendência da PF. A mulher de Beira-Mar, Elisete Lima, está detida na Colômbia, segundo a Polícia Federal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.