Bebês não podem ser transferidos para outros leitos em Fortaleza

As autoridades passaram a tarde reunidas discutindo soluções para a superlotação, apontada como causa da morte, por infecção hospitalar, de oito bebês prematuros na Maternidade Escola Assis Chateuabriand (Meac), em Fortaleza. Mas não encontraram alternativa a curto prazo. A assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do CE informou não ser possível a transferência dos bebês para unidades particulares pois "a oferta de leitos de UTI neonatal na rede particular também é pequena".O problema não é novo. No ano passado o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará (OAB-CE), César Ferreira, foi à Justiça pedir o aumento da oferta de leitos de UTI na rede municipal de Saúde. Até agora, nada foi resolvido. Apesar das mortes, a UTI neonatal do Meac continua superlotada - com 27 bebês, embora tenha 22 leitos. O diretor clínico do hospital, Manoel Oliveira Filho, não descarta a possibilidade de novas mortes por causa da superlotação.O secretário de Saúde do Estado, Anastácio Queiroz, foi procurado pela reportagem, mas segundo sua secretária estava em reunião. O secretário de Saúde de Fortaleza, Adelmo Martins, não foi localizado.Atualmente, além da Meac, contam com UTI neonatal os hospitais públicos César Cals (com 20 leitos) e o Hospital Geral de Fortaleza (25 leitos). O governo anuncia mais 30 leitos em um hospital que será inaugurado em setembro.Velório e enterroA assistente social da Meac, Rivânia Medeiros, informou que o hospital providenciou o velório e enterro dos oito bebês vítimas de infecção hospitalar. Os velórios foram custeados pelo Fundo de Assistência Devida do Estado - um serviço oferecido para carentes pela Secretaria da Ação Social do Estado - e o enterro ocorreu no Cemitério Municipal do Bom Jardim. As mortes, segundo ela, aconteceram entre sábado e terça-feira. O bebê mais velho tinha oito dias de vida e um deles pesava apenas 840 gramas. A maioria das mães é adolescente e foi primeira gravidez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.