Bebês morrem ao serem medicados com penicilina

O laboratório Prodotti, único fabricante da matéria prima penicilina g potássica no País, paralisou a fabricação do produto na tarde desta terça-feira, em São Paulo, depois de tomar conhecimento da suspeita do Hospital Universitário de Taubaté, no interior paulista, onde dois bebês morreram no último sábado depois de receber o medicamento injetável. Os meninos Raimundo Ferreira da Rocha, de 20 dias, e Luiz Felipe Emídio, de 37 dias, estavam internados no hospital há uma semana com pneumonia. No sábado eles receberam uma dose injetável de benzil penicilina potássica e morreram em segundos. Segundo as mães, Maria de Jesus Ferreira da Silva, 22 e Fernanda Veloso, 16, que acompanhavam os filhos na enfermaria, as crianças morreram logo após tomar a injeção.?Assim que a enfermeira aplicou a injeção ele deu um suspiro e foi perdendo o ar e ficando roxo. Não conseguia nem chorar e morreu em instantes?, disse a dona-de-casa Maria de Jesus, mãe de Raimundo. Ela relatou que naquele momento começou a pedir socorro para a enfermeira, que não deu atenção e aplicou outra dose em Luiz Felipe, de 37 dias. ?Ele estava amamentando e morreu segundos depois no meu colo. Fiquei desesperada e comecei a pedir socorro. Um médico só chegou depois de 20 minutos quando não dava mais tempo?, disse Fernanda, que acabara de se tornar mãe pela primeira vez.O departamento jurídico do hospital informou que vai aguardar a análise das amostras do medicamento do laboratório Adolfo Lutz e instaurar sindicância para apurar o que aconteceu. Os exames devem ficar prontos em 30 dias. ?Não se pode afirmar nada por enquanto mas a suspeita é com relação ao medicamento? afirmou a assessora jurídica Bianca Galvão César. O diretor-presidente do laboratório Prodotti, Paulo Macruz, informou que vai procurar as famílias e tem interesse em esclarecer os fatos rapidamente. ?A empresa atua desde 1991 e já produziu 80 milhões de frascos penicilinicos e nunca houve nenhum problema. Por isso queremos que a análise seja feita e isso seja esclarecido logo?. A polícia já está investigando o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.