Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

BBB da CPI: ‘De capitã a general’, cloroquina, Che Guevara e pênis inflável

Depoimento da médica Mayra Pinheiro, conhecida como ‘capitã cloroquina’, movimenta as redes sobre ‘decoração da Fiocruz’ e arranca elogios de apoiadores do governo, que já a consideram 'general'

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

25 de maio de 2021 | 16h40

Virou mesmo novela. O depoimento de Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde conhecida como “capitã cloroquina”, movimentou a internet antes mesmo de a médica que defende o chamado tratamento precoce começar a falar nesta terça, 25, à CPI da Covid.

Nas bolhas pró e contra o governo Jair Bolsonaro, vídeos e áudios de Mayra em ação tomaram as redes, já antecipando o tema do dia: kit covid e, claro, cloroquina. E teve ainda pergunta sobre o seu apelido. “A senhora se incomoda com ele?”, questionou a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA). Ela logo respondeu: “Apenas não acho o termo adequado porque não tenho carreira militar”.

‘De capitã a general’

Mas suas qualidades para servir às Forças Armadas, diante de sua postura na CPI, logo foram exaltadas pelos canais bolsonaristas. E até mesmo por um perfil que apoia a candidatura do general Eduardo Pazuello ao governo do Rio.

Marcos Rogério defende cloroquina, vira o 'Rolando Lero' da CPI e governistas aprovam

Em dia de apelidos na CPI, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) foi chamado de 'Rolando Lero', em referência ao personagem da "Escolinha do Professor Raimundo", de Chico Anysio, pelo presidente Omar Aziz (PSD-AM). O motivo seria a demora de sua intervenção.

Mas foi aplaudido pela rede bolsonarista ao defender o medicamento e "lacrou" ao citar o filho do relator, o governador Renan Filho (MDB-AL), que, segundo ele, ainda indica a droga no sistema estadual de saúde.

Zambelli, a penetra

Famosa pela lealdade ao presidente Jair Bolsonaro, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) cruzou os corredores que separam a Câmara do Senado e se colocou, como penetra, na CPI da Covid. De lá, fez posts ao vivo reclamando da postura de Omar Aziz, mas não escapou de virar meme.

Tapete de Che Guevara, pênis na porta e salas com figurinhas de 'Lula livre'

Era para o ser o "dia de gala da cloroquina", mas a própria Mayra fez outro assunto virar trending topics no Twitter. Uma declaração dada por ela sobre a Fiocruz bombou nas redes após o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) colocar para os colegas e a própria médica ouvirem. Depois de ouvir "pênis", Omar se confundiu: "Tênis, né?" E ela respondeu: "Não, falei pênis mesmo. Tinha um pênis na porta da Fiocruz."

Mas, nas redes, a explicação foi a de que o"pênis" seria só o símbolo da Fiocruz no logo comemorativo de seus 120 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.