BBB da CPI: Apelo a Neymar, Gil do Vigor e protozoário são os memes do dia

Defensora do tratamento precoce e conselheira do presidente Jair Bolsonaro, médica Nise Yamaguchi foi ouvida nesta terça

Adriana Ferraz, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2021 | 17h28

Se o clima já era de reality show, a sessão da CPI da Covid desta terça, 1º, teve direito até a bordão famoso de participante do Big Brother Brasil. Cada vez mais antenado na repercussão de suas falas nas redes sociais, o presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), citou o ‘Gil do Vigor’ e bombou no Twitter com o “Desse jeito, o Brasil está lascado


O resultado? Logo pela manhã, Aziz já era trending topics. E olha que a disputa foi acirrada ontem. Também no início da sessão, o relator Renan Calheiros resolveu apelar a Neymar para pedir que a Copa América não seja realizada no Brasil. 

Neste caso, a reação não foi tão boa, não. Ao lembrar dos campeonatos que cada um disputa, as redes não perdoaram e citaram os inquéritos nos quais o senador é investigado.


E também lembraram um dos apelidos de Neymar


Outro ‘ponto alto’ da oitiva da médica Nise Yamaguchi foi sua participação na ‘aula’ do senador Otto Alencar (PSD-BA). Médico, o parlamentar fez uma espécie de ‘chamada oral’ para expor a suposta falta de conhecimento da oncologista sobre o novo coronavírus. 

Em determinado momento, Otto questionou Nise sobre a diferença entre um vírus e um protozoário, fazendo as buscas por ‘protozoário’ crescerem na web quase que imediatamente e as explicações em tom de humor tomarem conta das redes...

 

 

 

 


Segundo análise da Bites Consultoria, a #CPIdaCovid foi citada mais de 62 mil vezes durante o dia. A rede bolsonarista tentou reagir com a #CPIdoCirco, a adesão não passou de 16,3 mil menções. O depoimento da médica Nise, no entanto, colocou em destaque nas redes influencers mais conservadores, como a ex-jogadora de vôlei Ana Paula Henkel, que defendeu a oncologista, assim como o jornalista e analista de política Leonardo Coutinho.


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.