Bayer vendeu para Argentina e Ásia remédio que podia transmitir aids

A indústria farmacêutica Bayer vendeu,nos anos 80, na Argentina e em países asiáticos, um remédio com alto risco de transmitir aids para pacientes hemofílicos. Na Europa e nos Estados Unidos, a indústria distribuiu uma versão alterada e mais segura do produto. A denúncia foi apresentada nesta quinta-feira pelo jornal The New York Times baseada em documentos.Uma unidade da Bayer, a Cutter Biological, começou a produzir um novo medicamento - que aumentava a capacidade do sangue de coagular - em 1984, já que sua versão anterior estava infectando os hemofílicos com o HIV. A Cutter Biological, porém, continuoua vender o perigoso remédio durante um ano na Argentina e em alguns países asiáticos, segundo apurou o jornal americano.Em Hong Kong e Taiwan, mais de cem doentes contraíram o HIV, após usar o medicamento antigo. Ainda não se sabe quantos foram contaminados na Argentina, no Japão, na Indonésia, em Cingapura e na Malásia, os outros países onde o remédio foi vendido, mesmo depois de anova versão estar disponível."São os documentos internos de uma indústria farmacêutica mais incriminatórios já vistos", disse o médico Sidney Wolfe, que, como diretor do Grupo de Investigação de Saúde Pública dos EUA, tem investigado as práticas da indústria durante três décadas.Em uma declaração entregue ao diário, a Bayer disse que a Cutter se comportou "responsável, ética e humanamente" na venda do produto para o exterior. Segundo a indústria, a distribuição foi feita porque alguns clientes duvidavam da eficiência do novo medicamento, já que alguns países aprovavammuito lentamente sua venda. Além disso, de acordo com a Bayer, a escassez de plasma impedia a produção em massa do novo remédio.Mas, segundo o jornal nova-iorquino, um telex da Cutter para um distribuidor sugere que a companhia tinha contratos com preços fixados e perderia dinheiro caso trocasse a versão do produto. Um documento interno da empresa, de março de 1985, indicou que a Argentina "comprou 300 mil unidades e possivelmente solicitemais, e o Extremo Oriente pediu 400 mil unidades" do produto antigo.A Bayer afirmou nesta quinta-feira, na Argentina, que a venda do remédio para hemofílicos que pôs em risco a vida dos pacientes foi uma decisão baseada "na melhor informação científica" da época. A indústria enfatizou que o medicamento foi comercializado sob as normas sanitárias vigentes nos anos 80 e lamentou que nessaépoca "se desconhecia" que havia risco de se transmitir a aids."As decisões tomadas há duas décadas foram baseadas namelhor informação científica disponível na época e eramcompatíveis com a regulamentação do momento; não podem ser julgadas com a informação disponível hoje."O remédio antigo, chamado Fator 8 de Coagulação e produzido a partir do plasma de 10 mil doadores, tinha o poder de deter hemorragias, letais para os hemofílicos. Na época, os exames de aids não estavam desenvolvidos. Só nos EUA, milhares de pessoasforam contaminadas pelo HIV por usar medicamentos que continham sangue. A nova versão do remédio era aquecida para exterminar o vírus da aids. Segundo informações da Bayer no Brasil, o produto nunca foi fabricado nem vendido no País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.