Bate-boca marca sessão com Maluf na Câmara de SP

Uma sessão de bate-boca tomou conta da primeira hora do depoimento do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB), iniciado às 16h45 horas de hoje na CPI da Dívida Pública, na Câmara Municipal de São Paulo. Maluf negou que tenha contas no exterior e acusou a CPI de vazar informações de seu sigilo telefônico para a imprensa. "É falsa qualquer vinculação do meu patrimônio pessoal com a minha vida pública", disse. A presidente da sessão, vereadora Ana Martins (PCdoB), tentou impedir Maluf de ler um texto escrito, no início de seu depoimento, invocando a condição dele de investigado. "A senhora é do PcdoB, o Partido Comunista Brasileiro, mas aqui não é a Albânia, e eu vou falar", insistiu Maluf. Ele leu o texto e utilizou os mesmos argumentos já utilizados em seus outros dois depoimentos à CPI, para defender o que chamou de "lisura" nas transações com Títulos da Dívida Pública e na rolagem, que segundo a CPI seriam responsáveis pelo crescimento da dívida do município.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.