Bastos só deve ir ao Congresso depois da Semana Santa

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, deverá participar de audiência no Congresso apenas depois do feriado da Semana Santa. Essa é a expectativa de senadores como o líder da minoria José Jorge (PFL-PE). "O fato de dois assessores importantes (do ministro) estarem de alguma maneira envolvidos faz com que seja absolutamente necessário que ele venha dar explicações", defende o parlamentar. "Até a próxima semana teremos mais informações para, de certa maneira, questionar o ministro", disse à Radiobrás. Esta semana, Thomaz Bastos antecipou-se a uma possível convocação pela Câmara ou Senado e enviou ofício aos presidentes das casas, Aldo Rebelo e Renan Calheiros. Ele se colocou à disposição para esclarecimentos sobre a quebra de sigilo do caseiro Francenildo Santos Costa. Atualmente, há dois requerimentos pedindo a convocação do ministro do Justiça ao plenário. Um na Câmara dos Deputados, feito pelo PPS, e outro, no Senado, elaborado pelo senador Arthur Virgílio (PSDB-AM). Assessores de Thomaz Bastos foram à casa do ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci no dia em que um extrato da conta bancária do caseiro foi entregue pelo ex-presidente da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso a Palocci.A oposição promete acompanhar as investigações da Polícia Federal e juntar elementos para ouvir o ministro. A líder do PT no Senado, Ideli Salvati (SC), acredita que a audiência com ele será tranqüila. "Até porque todas as providências que estavam afetas à sua pasta como ministro da Justiça foram tomadas de pronto, de forma eficiente, de forma rápida e os resultados estão aí", disse Salvati.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.