Bastos recua sobre a data de sua saída do Ministério

Às vésperas da eleição para as mesas da Câmara e do Senado, na qual o governo federal tem interesse estratégico, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, demissionário, evitou nesta segunda-feira trazer à tona o tema da reforma ministerial. Indagado até quando permaneceria no cargo, ele deu pela primeira vez uma resposta lacônica. "Até quando o presidente (Luiz Inácio Lula da Silva) quiser", disse, dando margem a especulações sobre um eventual recuo. Bastos deu a declaração após participar da solenidade de posse do novo coordenador-geral de Polícia Fazendária, delegado Joaquim Mesquita e da nova superintendente da PF em Brasília, delegada Valquíria de Souza Andrade, primeira mulher a ocupar o cargo. A decisão do ministro de deixar o cargo tem causado embaraço ao presidente Lula, ante a dificuldade de achar um sucessor com sua habilidade política e lealdade. Desde que anunciou que não permaneceria no Ministério no segundo mandato presidencial, há três meses, esta é a primeira vez que Bastos demonstra algum vacilo. Ele até já despachou seus livros e utensílios pessoais para sua residência em São Paulo, onde vivem sua mulher e filhos. O ministro inclusive tem feito contatos profissionais para a retomada das suas atividades como advogado criminalista. No final de dezembro, durante solenidade no Palácio do Planalto, Bastos formalizou sua saída da Pasta e até se despediu de Lula, que no entanto pediu que ele permanecesse no cargo até fevereiro, depois da eleição das Mesas da Câmara e Senado. Desde então, não têm faltado apelos para que ele permaneça no cargo. Caso a saída se confirme, o substituto mais provável é o atual ministro das Relações Institucionais, Tarso Genro. Nesta tarde, o apelo foi renovado pelo diretor-geral da PF, Paulo Lacerda, que anunciou sua saída do cargo, caso o chefe saia. No discurso de saudação aos novos dirigentes, Lacerda agradeceu o apoio de Bastos à PF e fez uma provocação, que arrancou aplausos entusiasmados do auditório lotado de delegados: "Tomara que alguém consiga convencê-lo a continuar no cargo por mais um tempo, para o bem do País".

Agencia Estado,

29 Janeiro 2007 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.