Bastos quer antecipar ida ao Senado, diz senador petista

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, quer antecipar sua ida ao plenário do Senado para esclarecer seu envolvimento com o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, no episódio da quebra do sigilo bancário do caseiro Francenildo Santos Costa. A informação é do senador Aloizio Mercadante (PT-SP), líder do governo no Senado, que participou de encontro do PT estadual na capital paulista, na manhã deste domingo."O Bastos me ligou durante o debate dizendo que está encaminhando uma carta ao Congresso, propondo antecipar a presença dele no Senado, e que está disponível a partir de amanhã", adiantou Mercadante. A melhor data para audiência de Bastos no Congresso ainda estava em discussão pelos congressistas na sexta-feira.O ministro da Justiça confirmou neste sábado, por meio de sua assessoria de imprensa, que participou, na tarde do último dia 23, de uma reunião com o então ministro da Fazenda. No encontro, realizado na residência oficial do Ministério da Fazenda, também estavam o então presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Jorge Mattoso, e o advogado criminalista Arnaldo Malheiros Filho, amigo de Bastos. O objetivo da reunião, segundo a edição da revista Veja que chegou neste sábado às bancas, era descobrir uma maneira de encobrir a participação da cúpula do governo na violação da conta bancária do caseiro - que desmentira Palocci, relatando as idas do ex-ministro à mansão alugada em Brasília pelos lobistas da chamada república de Ribeirão Preto.Segundo Mercadante, Thomaz Bastos teria dito no telefonema deste domingo que considera fundamental que tudo seja esclarecido e que ele se colocará inteiramente à disposição do Congresso. "Ele propõe (na carta) antecipar sua audiência porque quer transparência", disse o senador. A intenção de Bastos, segundo Mercadante, é de que não circulem informações contraditórias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.