Bastos diz que vai ao Senado se for convidado

O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, disse nesta quinta-feira que, se for convidado pelo Senado para, novamente, prestar esclarecimentos sobre sua participação no episódio da violação do sigilo bancário do caseiro Francenildo dos Santos Costa,o Nildo, irá "com muita honra". Ele fez a afirmação após prestar esclarecimentos por mais de mais de oito horas, sobre quebra ilegal do sigilo de Nildo na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Bastos afirmou que tem um "respeito supersticioso" pelo Congresso. Lembrou, também, que respondeu a todas as perguntas que lhe foram formuladas na CCJ e disse acreditar que já deu todos os esclarecimentos sobre o caso, mas que, se necessário, irá novamente ao Congresso com o mesmo objetivo.Momentos antes, o líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), disse que decidiu manter seu requerimento de convocação do ministro para o Senado. O tucano disse que ouviu parte dos esclarecimentos de Bastos na CCJ e considerou que o ministro respondeu com evasivas, não foi objetivo. O líder tucano obteve a promessa do senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), que presidia os trabalhos no plenário do Senado, que seu requerimento será apreciado na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.