BASTIDORES: Planalto cria lista com padrinhos políticos

O Palácio do Planalto está montando um banco de dados com todos os cargos de confiança dos ministérios e das empresas estatais. O ingrediente político é que, ao lado dos nomes dos servidores, constará agora quem foi o padrinho político das indicações. A ordem do presidente em exercício Michel Temer é para que ministros e diretores de empresas mergulhem nos “labirintos” da administração pública, com o objetivo de “enxugar” a máquina administrativa.

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2016 | 05h00

Sob comando da Casa Civil e da Secretaria de Governo, o banco de dados tem um alvo: os chamados cargos DAS (Direção de Assessoramento Superior), de livre provimento. Levantamentos da Casa Civil indicam que, em todo o governo, eram cerca de 24 mil quando Temer chegou ao Planalto, em maio, mas 2.010 já foram cortados. A meta é acabar com 4,3 mil cargos em comissão, funções e gratificações e reservar outros 10.462 exclusivamente para funcionários de carreira.

As demissões têm causado polêmica. Auxiliares de Temer dizem ter encontrado um “aparelhamento” do primeiro escalão, mas aliados da presidente afastada Dilma Rousseff argumentam que o governo interino persegue os nomeados pelo PT, promovendo a descontinuidade de programas. Nesta semana houve demissões em massa nos ministérios da Cultura, da Saúde e do Desenvolvimento Social.

A próxima etapa da “lipoaspiração” será nas estatais do setor elétrico e nos bancos públicos. Numa primeira avaliação foram encontradas funções decorativas, além de salários e gratificações acumulados. 

Há, porém, um dado curioso: após contemplar indicados por deputados do Centrão – grupo do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) –, o governo Temer está atendendo a praticamente todos os pedidos de senadores que querem emplacar afilhados em cargos de confiança. Às vésperas da votação do impeachment de Dilma no Senado, Temer não quer correr riscos. No Planalto, o comentário é que, nesta temporada, a figura de senador está “em alta no mercado”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.