BASTIDORES: Planalto abandonou Cunha após ameaça direta a Temer

Ex-deputado prometeu contar 'a quem quisesse ouvir' detalhes das reuniões mantidas com o presidente para afinar a aceitação do impeachment de Dilma

Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2016 | 05h00

Duas reuniões na noite do domingo, 11, véspera da sessão agendada para discutir a cassação de Eduardo Cunha, selaram o destino do peemedebista. Enquanto o presidente da Câmara, o democrata Rodrigo Maia, reunia políticos e jornalistas na residência oficial para comer pizza, aliados de Cunha conversavam sobre os detalhes da votação no escritório do advogado Renato Ramos, um dos integrantes da equipe jurídica do ex-presidente da Câmara.

Cunha havia chegado ao escritório de Ramos após despistar os jornalistas, que estavam na porta de sua casa, saindo no banco de trás do carro. Já no escritório, o deputado se pôs a esmiuçar os detalhes da futura votação e a afinar com seus principais aliados as possíveis ações para tentar reverter uma cassação, naquele momento, já dada como certa. As notícias sobre o Palácio do Planalto tê-lo abandonado, como revelou o Estado na edição de domingo, já tiravam a paciência do deputado, quando ele soube da “pizzada” na casa de Maia.

No entendimento de Cunha, a reunião na residência oficial era uma comemoração prévia da sua cassação. Estavam presentes, além de Maia e sua esposa, os ministros Moreira Franco, sogro de Maia, e Geddel Vieira Lima, bem como políticos como Heráclito Fortes e Agripino Maia. Completavam a lista de convidados, alguns jornalistas que, na visão de Cunha, comprovavam o objetivo “festeiro” do encontro. Todos comiam pizza em um espaço ao lado da piscina quando o telefone de Maia tocou. A ligação partia do celular de um dos convivas da outra reunião.

Na QL 14, no escritório de Ramos, Cunha estava acompanhado dos deputados Aguinaldo Ribeiro, Athur Lira, Rogério Rosso, Jovair Arantes e do assessor do Palácio do Planalto, Sandro Mabel. Todos, até então, aliados do peemedebista. Convicto de que a reunião de Maia era um sinal do que o esperava na votação do dia seguinte, Cunha pediu para que seu aliados fossem até a residência oficial para saber se ele manteria sua palavra de abrir a sessão somente com 420 deputados presentes.

Ao atender o telefone, Maia explicou aos emissários de Cunha que alguns jornalistas estavam presentes na reunião e que, portanto, não seria uma boa ideia encontrá-los naqueles momento. Ao sentir a insistência dos deputados, Maia encaminhou o encontro para o seu fim e, em seguida, recebeu Aguinaldo Ribeiro e Arthur Lira que aguardavam próximos dali.

A conversa entre os representantes de Cunha e Maia foi tranquila. O presidente da Câmara confirmou que daria seguimento à votação apenas com quórun de 420 deputados e informou que daria todo o espaço necessário para Cunha e seus aliados se pronunciarem durante a votação. Mas uma afirmação de Maia durante a conversa deu início a uma série de fatos que resultaram no placar de 450 x 10 pela cassação de Cunha.

Questionado sobre o que ocorreria caso a sessão de segunda-feira, 12, não tivesse um quórum de 420 deputados, Maia afirmou que tentaria novamente no dia seguinte, terça feira. Entretanto, disse Maia aos apoiadores de Cunha, em caso de postergação da votação, nos dias seguintes ele não observaria mais o quórum mínimo de 420 presentes. Para Maia, a questão da cassação seria resolvida até o fim da semana e com mais de 300 presentes na Casa a votação seria realizada.

De posse da informação, Arthur Lira e Aguinaldo Ribeiro retornaram ao escritório para informar Cunha sobre a postura de Maia. Nesse momento, início da madrugada de segunda-feira, Cunha teria ficado muito nervoso e começou a disparar mensagens para amigos e aliados. Cunha acusava ter sido abandonado pelo Planalto, criticava a “festa” de comemoração de sua cassação na casa de Maia e apontava para o Planalto como apoiador da nova conjuntura. Moreira Franco, um dos presentes na casa de Maia, era um dos alvos principais.

Mas no início da manhã de segunda-feira o clima piorou. Segundo aliados, ou agora ex-aliados, o nervosismo de Cunha teria extrapolado os limites. O agora deputado cassado, além de pressionar aliados, enviou um recado ao presidente Michel Temer. O Estado apurou que o recado, em forma de ameaça, era sobre a possibilidade de Cunha contar a quem quisesse ouvir como se deu as tratativas sobre o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Cunha, apurou o Estado, teria dito que não pretendia se tornar delator, mas que contaria com detalhes todas as reuniões mantidas com Temer para afinar a aceitação do pedido de impeachment e as conversas que deram suporte a todo processo de cassação da presidente Dilma Rousseff.

A ameaça de Cunha teria caído como uma bomba dentro do Palácio do Planalto. Convictos da impossibilidade de salvar o correligionário, o Planalto decidiu abandonar de vez Cunha e chamou algum de seus aliados para uma conversa. Aguinaldo Ribeiro foi um deles. O deputado recebeu o sinal verde do Planalto para votar como bem entendesse. O resultado foi que o antes aliado votou pela cassação de Cunha. Outro acionado pelo governo foi Rogério Rosso e o resultado foi o mesmo, voto a favor da cassação. Sem nenhum apoio, dos presentes na reunião na casa do advogado de Cunha, apenas Arthur Lira manteve o apoio ao peemedebista.

Procurado, o deputado Eduardo Cunha afirmou que não é verdade e que nunca mandou ameaça a ninguém. Segundo Cunha, ele não manda recado e, em resumo, "o fato é mentiroso".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.